Ask The Pilot: “Attention Media: Copilots are Pilots Too”

By: Author Raul MarinhoPosted on
535Views2

Estava eu escrevendo um artigo sobre essa confusão que a imprensa faz com a função de copiloto, quando me deparo com o texto publicado no blog ‘Ask The Pilot’ – “Attention Media: Copilots are Pilots Too” -, que me fez apagar o que havia escrito: está tudo lá, muitíssimo bem explicado, então nem vale a pena tentar reinventar a roda. Mas para ajudar os monoglotas e/ou menos pacientes, segue um breve resuminho:

  • “Comandante” e “copiloto/1o. oficial” são somente funções que um tripulante pode exercer a bordo de uma aeronave, mas ambos são pilotos – logo, não existe isso de “piloto e copiloto” – e, ATENÇÂO: o copiloto não é o estagiário do comandante;
  • Num voo comercial, é normalmente o copiloto quem “pilota” o avião – isto é: quem opera os comandos da aeronave – na maior parte do tempo, e não há nada de errado nisso, pelo contrário, isso é o recomendável;
  • Independente de quem é o comandante e quem é o copiloto, há o PF-Pilot Flying e o PM-Pilot Monitoring, que podem ser um ou outro (comandante ou copiloto) dependendo da situação – regra geral: o comandante vai ser o PF ou o PM se, naquele momento, pilotar o avião ou monitorar o que o outro piloto faz, for a atividade crítica para aquele momento; e, principalmente:
  • Uma informação de que “o copiloto estava comandando a aeronave no momento do acidente”, como estão falando no caso do acidente da AirAsia, não quer dizer absolutamente nada, isso é ZERO INFORMAÇÃO. O copiloto estar atuando como PF (na realidade, ele não estava “comandando” o avião!) não está errado, não agrava o risco, e não significa que o acidente ocorreu por causa disso. Na verdade, trata-se de uma não-notícia que, embora verdadeira, deveria ser omitida pela imprensa, pois só pode confundir o leitor, nada mais que isso. Seria como dizer que “os empresários envolvidos no Petrolão são, em sua maioria, engenheiros”: apesar de verdadeira, essa informação não quer dizer nada, mas induz o leitor a achar que os formados em Engenharia são particularmente propensos à corrupção. Entenderam o ponto, amiguinhos da imprensa?

2 comments

  1. Salinas
    3 anos ago

    Vi essa matéria na Globo e fiquei pensando que tipo de dano uma informação dessas, jogada ao vento, traz ao público leigo. O certo seria o jornalista ter validado a matéria com algum consultor de aviação que explicaria as funções de comando, copila, PF e PM e assim a reportagem poderia ter um caráter explicativo sem esse tom de pânico/sensacionalista que permeiam as matérias sobre aviação.

Deixe uma resposta