Considerações sobre o caso do comandante preso para fora do cockpit

By: Author Raul MarinhoPosted on
1068Views7

Está em todos os jornais, sites e programas noticiosos na TV (vide este exemplo, da Veja): num voo doméstico da Delta, nos EUA, o comandante foi ao banheiro e a porta da cabine emperrou, impedindo que ele reassumisse seu posto no cockpit. Como resultado, foi declarada emergência, e o copiloto alternou para a pista mais próxima, pousando em segurança. No Jornal da Cultura de ontem à noite, foram veiculados trechos do filme “Apertem os cintos, o piloto sumiu”, com bonecos infláveis tomando o lugar da tripulação, para dar a notícia. Muito engraçado. Estou rindo até agora.

Mais uma vez, a imprensa fez questão de noticiar só a parte que não tem importância. Não quero repetir o que disse recentemente, mas vejam o que a Veja escreveu (e praticamente todo mundo repetiu mais ou menos igual): “O copiloto do avião, que levava 160 passageiros, assumiu o controle e conseguiu aterrissar em segurança no aeroporto internacional McCarran”. Como assim, “assumiu o controle”? Ele já estava no controle! – pelo menos, a partir do momento em que o comandante tocou no cinto de segurança (e, possivelmente, desde o início do voo). E “conseguiu aterrissar em segurança” dá a entender que aquilo foi um feito heroico, além dos limites do estagiário copiloto… Mais uma vez, foi desinformação.

Na verdade, o que deveria ter sido comentado/investigado/perguntado nem sequer passou perto das redações. Por que a porta emperrou? Foi mau uso, ou defeito? Pode acontecer de novo? As outras aeronaves da frota estão sendo inspecionadas ou a tripulação retreinada, para que isso não se repita? O procedimento foi correto? O sujeito foi ao banheiro poucos minutos antes do pouso, isso faz sentido? E se a porta fosse mantida destrancada, com um comissário de guarda para evitar que algum passageiro tentasse entrar, não seria mais sensato? Ou se houvesse um toalete improvisado dentro da cabine (ou mesmo um tubo, como há nos King Air, para o piloto urinar sem sair do seu assento)? Qual o problema de uma aeronave pousar só com um piloto no cockpit? Há acidentes já ocorridos por causa disto? Se não há problemas, como alegou a Delta, por que foi declarada emergência? Aliás, sobre a questão da emergência, prestem atenção a este trecho da reportagem da Veja:

No entanto, o porta-voz da Federal Aviation Administration, o órgão responsável pela aviação nos Estados Unidos, disse que a agência declarou emergência para a tripulação da aeronave quando o incidente ocorreu.

Se esta informação estiver correta, como é que funciona isso de a agência declarar emergência? Aqui no Brasil, a ANAC poderia declarar emergência em um voo também?

Estão vendo, amiguinhos da imprensa, como há como se fazer um trabalho decente sem precisar apelar para trocadilho com filme antigo?

 

 

7 comments

  1. Luiz
    4 anos ago

    Felipe Moura Brasil, colunista da Veja, gosta de aviação e pode ajudar a elucidar estas questões com os jornalistas de lá. É apenas uma sugestão. Hoje mesmo ele falou de aviação na coluna dele: http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/02/04/relatorio-1-acidente-a-cada-13-milhao-de-voos/

    • raulmarinho
      4 anos ago

      Vou entrar em contato. Tks.

  2. rafael santos
    4 anos ago

    Perfeito, quis dizer nao existe treinamento para door jammed, ou seja, porta que não abre, com um piloto fora de seu assento se considera incapacitado e existe treinamento para F/O no simulador para isto, tanto para incapacitacao efetiva ou sutil!

  3. Enderson Rafael
    4 anos ago

    Chama-se pilot incapacitation, está totalmente previsto no manual e no treinamento.

  4. Rogério Barreto - BOTUCATU-SP
    4 anos ago

    Excelente explicação Rafael. Muito bom.

  5. rafael
    4 anos ago

    Caro Raul vamos por partes então:
    1-A porta nao emperra , ele e blindada desde 11 de Setembro(atentado), o mecanismo de destravamento da porta (tanto o automático, como o manual )não deve ter funcionado.
    2-Nao existe treinamento especifico para uma ocorrência com uma incidencia tao baixa, aviação funciona por estatística, ou seja e um evento rarissimo.
    3-Teoricamente quando se inicia a descida não e permitido mais sair do cockpit, porem falo em tese pois não conheço o SOP da Delta
    4-A porta NUNCA pode ficar aberta , desde 11 de Setembro, existem um procedimento especifico e um protocolo de segurança a ser cumprido, tanto para entrar como para sair da cabine, se a porta ficar aberta muito mais que um descumprimento de regulamento incorre em crime.(nos USA pelo menos)
    5-Sem comentarios…existem como no caso de alguns operadores uma célula de segurança , ou seja existe na cabine alem do cockpit, um banheiro e área de descanso para os pilotos.
    6-Aviao para 2 pilotos com um incapacitado( trancado fora e considerado assim ) se encontra em emergencia , e MAYDAY na hora.
    7-Exato o FAA bem como o JAA e outro órgão de controle pode sim declarar emergencia (no caso de se presumir o ocorrido), alias bem como o Centro Operacional da empresa aérea e ou mesmo o gerente de aeroporto. Não conheço como funciona o Brasil , mas a ideia e que no caso da tripulação, por qualquer razão, se encontrar impedida de fazer-lo isto aconteça.
    Espero ter ajudado
    Abracos.

    • raulmarinho
      4 anos ago

      Ô se ajudou, Rafa! Muitíssimo obrigado!

Deixe uma resposta