Se você achou a nota da ABRAPHE apocalíptica, então leia esta da APPA!!!

By: Author Raul MarinhoPosted on
791Views15

Reproduzi aqui ontem uma contundente nota da ABRAPHE revelando que a operação de asa rotativa em nosso país está prestes a colapsar devido à ingerência das autoridades aeronáuticas brasileiras. Hoje, porém, a APPA publicou uma outra nota muito mais impactante sobre a situação da aviação brasileira como um todo, que segue abaixo reproduzida. Enquanto isso, a ANAC caminha para a estagnação, com a diretoria perdendo seu 3o. membro dentro de menos de um mês, o que inviabilizará a tomada de decisões pela diretoria colegiada – e, cumpre notar, que desde a exoneração do diretor Rubens Vieira no final de 2013, envolvido num esquema de tráfico de influências com a “amiga íntima” do ex-presidente Lula, há um cargo de diretor da ANAC a ser preenchido (o outro diretor que deixou a ANAC e não foi reposto foi Carlos Pellegrino, em agosto de 2014). Então, o que temos é um cenário de antessala do apocalipse causado pela inação da ANAC que, se já não dava conta da gestão da aviação civil brasileira quando tinha uma diretoria colegiada com condições de tomar decisões, imaginem agora que nem se quisesse poderia fazer alguma coisa… Como diria o motorista do ônibus: a que ponto chegamos!?

Segue a nota da APPA:

APPA reitera alerta da ABRAPHE sobre licenças

Ontem a ABRAPHE distribuiu informação sobre a crise com as licenças de pilotos de helicópteros, em que “chama a atenção da sociedade e das autoridades aeronáuticas para o problema na falta de estrutura para a revalidação das licenças de pilotos de helicóptero no Brasil”. Segundo a ABRAPHE, “estima-se que mais de 300 pilotos de helicóptero percam o direito de operar regularmente nos próximos meses, sendo certa de 100 deles já a partir do próximo sábado (28/02), devido a falta de profissionais capacitados para a execução do cheque de revalidação.”

A APPA, além de manifestar apoio a ABRAPHE e se solidarizar com os problemas enfrentados pelos pilotos de helicópteros, reitera aquilo que já vêm formalizando há mais de 2 anos junto a ANAC, SAC e Casa Civil da Presidência da República: a total falta de política para a Aviação Geral no país é hoje a maior fonte de insegurança nas operações aeronáuticas no Brasil. Em outras palavras, a APPA tem claro que são as autoridades aeronáuticas brasileiras as maiores fontes de desestabilização das operações aeronáuticas no país. Aqueles que tem o dever de salvaguardar a segurança estão sendo, na prática, os promotores da insegurança. Insegurança essa que se reflete em vários aspectos:

(1) Pilotos voam inseguros juridicamente quanto a validade das suas licenças de voo: sem estrutura para atender a demanda e aos regulamentos que ela própria criou, a ANAC não consegue proceder revalidações, testes e recheques dos pilotos que detém licenças e habilitações emitidas pela própria Agência. Não há nenhum dia sequer, há anos, que pilotos no Brasil inteiro sofrem com as mazelas decorrentes da total falta de estrutura para atendê-los no seu direito mais elementar, o de manter suas licenças em dia.

Em que pese o esforço muitas vezes pessoal desempenhado por gestores e equipes da ANAC, particularmente nas áreas de Pessoal, Licenças e Habilitações, combinado com o esforço de entidades com a APPA e a ABRAPHE que mantém contato diário com a ANAC para facilitar a interação entre usuários e a Agência, o fato é que os pilotos brasileiros voam sem saber se os processos de emissão ou revalidação de licenças aos quais se submeteram são válidos, permanecerão válidos ou poderão ser refeitos quando for a hora disso acontecer.

(2) O setor de Escolas da ANAC encontra-se em situação caótica: como em qualquer outro país, as Escolas de Aviação deveriam ser instituições que deveriam prestar serviços para emissão e revalidação de licenças de pilotos. A APPA vem demonstrando à ANAC, em seu Conselho Consultivo, Presidência, Diretoria, Superintendências e diversas Gerências, há muitos meses, que o setor de Escolas da Agência não presta serviços minimamente razoáveis às escolas de voo. Processos de homologação ou re-homologação de cursos levam meses, são submetidos a exigências inconsistentes e fiscalizados muitas vezes por profissionais que não possuem as qualificações apropriadas para realizar o que estão encarregados de fazer. Milhões de reais, de Escolas, Aeroclubes, alunos e empresas são literalmente jogados no lixo, todos os anos, porque o setor de Escolas da ANAC encontra-se em meio ao caos.

Por falta de servidores e sujeito a uma regulação ineficaz e descompensada, a ANAC simplesmente não consegue autorizar Escolas a se manter funcionando de maneira apropriada. Há aeronaves e instrutores prontos para atender grande parte da demanda por validações e revalidações de licenças de pilotos mas as ineficiências da Agência impedem que esse atendimento seja feito. Perdem as Escolas e Aeroclubes, perdem os pilotos, perdem os alunos e perde a própria ANAC, que poderia contar com as Escolas como aliadas para aliviar a pressão nos processos de revalidação e não conta, por sua única e exclusiva culpa.

(3) A APPA reitera que o descompromisso do DECEA para com a viabilização de espaços aéreos para a instrução é fator contribuinte para a insegurança das operações aeronáuticas: O DECEA, órgão responsável pela organização e gestão do espaço aéreo brasileiro, apesar de estar informado sobre os problemas, não exerce movimento algum para que aeronaves e pilotos em instrução sejam bem-vindos no espaço aéreo sob o seu controle. Como querem as Autoridades Aeronáuticas brasileiras que a segurança de voo seja elevada, se não há local apropriado para que voos de instrução ocorram? Hoje é praticamente impossível para uma aeronave em instrução ter garantido espaço para praticar procedimentos de voo, principalmente por instrumentos. E isso não ocorre por excesso de tráfego aéreo, mas por excesso de burocracia, por uma visão tacanha das autoridades e pela cultura de desperdício brasileira, que afeta também a aviação.

Bases aéreas que poderiam muito bem ser usadas para exercícios de civis ficam às moscas, enquanto aeronaves de instrução ficam em filas, por horas, aguardando uma pequena oportunidade de realizar procedimentos IFR pelo Brasil. Auxílios à navegação, indispensáveis para a realização de voos por instrumentos, encontram-se quebrados e abandonados há anos. Novos procedimentos, baseados em navegação por satélite, além de sequer constarem nos curriculos de formação de pilotos brasileiros, quando são planejados pelo DECEA desconsideram o fato de poderem e deverem ser usados por aeronaves em instrução.

Esses fatores, dentre outros, combinados, fazem do Brasil um lugar hostil a Aviação e aos pilotos. Um país que já foi exemplo para a aviação mundial hoje é considerando um lugar estranho e inóspito ao olhar de pilotos estrangeiros, que muitas vezes não compreendem por que as coisas por aqui se tornaram tão complicadas. Para o DECEA é como se a internet inexistisse: planos de voo não podem ser transmitidos pela rede porque o DECEA ainda trabalha com fax e telefone e ainda se exige a apresentação de papéis inúteis para a realização de voos que em espaços aéreos muito mais complexos e congestionados do que no Brasil já dispensam essas formalidades há décadas!

E como se isso tudo não fosse o suficiente, as taxas, impostos, tarifas e outras formas de exploração da atividade aeronáutica e das aeronaves sufocam o setor. Cobra-se caro para não se receber nada em troca. Aeroportos mal cuidados e sinalizados, pistas abandonadas, auxílios a navegação inoperantes e serviço de controle de tráfego aéreo inacessível, no Brasil, custam caro!

Relatórios formais foram entregues pela APPA e outras Entidades a todas as Autoridades Aeronáuticas e o alerta feito pela ABRAPHE, quanto as licenças, é mais uma prova que a gestão da aviação brasileira não se encontra nada bem.

 

15 comments

  1. Marcius
    3 anos ago

    Hoje um dos diretores financeiros da empresa onde trabalho veio comentar sobre a ANAC.
    Nossa aeronave está sendo transferida apenas de CNPJ, permanecendo com o mesmo operador, na mesma empresa.

    O processo da transferência está causando tanto desgaste, mas tanto desgaste (por causa das exigências descabidas e burocracia da ANAC), que este diretor disse que, se dependesse dele, venderia o avião para nunca mais tê-lo na empresa, pois dá muito trabalho ter aviões no Brasil.
    Dá menos dor de cabeça fretar aviões comerciais para o uso da empresa do que possuir avião próprio.

    Imagino quantos empresários deixaram de ter aviões ou, simplesmente, venderam suas aeronaves por causa do desgaste em mantê-las, gerado pela má vontade e incompetência da ANAC.

    Depois vem a questão das habilitações….

    Onde iremos parar?

  2. Marcius
    3 anos ago

    Piloto é tudo bunda mole. Só sabe criticar a ANAC.
    A ANAC tem sido tão boa com a gente… não sei o porquê de tanta reclamação.
    Acho que todos os pilotos deveriam mandar flores e bombons para aqueles simpáticos e competentes servidores.

    • Leitor
      3 anos ago

      Fique à vontade.
      No que se refere ao “bunda mole”, fale por vc.

      • Wagner
        3 anos ago

        Amigo não esquente a cabeça com o comentaristas das 10:56 do dia 1, ele deve ser mais fracassado na sua área de formação profissional e resolveu entrar para a ANAC pelo salario e ficar atoa inventando jeitos de nos ferrar. Esse pessoal e assim mesmo, me refiro ao funcionário publico especificamente aos da ANAC eles como não nd melhor para fazer vem aqui no blog procurar pelo em ovo, esse pelo menos resolveu ser homem e falar alguma coisa, queria ver se ele fosse homem o suficiente para falar isto na minha cara pessoalmente, mas como ele é um rato e só sabe ficar no face e o tal do zapzap, vai ter medo de fazer isso.

        • Marcius
          3 anos ago

          Wagner… kkkk que comentário engraçado o seu.
          Estou no mesmo barco que você, fio, como um piloto descontente com a ANAC.
          Desculpe Raul, vc me conhece e sabe que eu sou um crítico ferrenho da Anac. Acho que meu comentário acima não agradou os rapazes ali.

          • Wagner
            3 anos ago

            Boa noite Marcius, mas o modo q vc falou vc nem parece um piloto falando cara! falando bem da gloriosa ANAC cara, o q vc acha q pensaríamos de vc marcius? Não sei se vc já viu ou leu, de alguém aqui no blog falar bem da ANAC cara? o dia em que a ANAC fazer alguma coisa certa eu venho aqui no blog e falo um monte de elogios para ela, mas por enquanto não da pra fazer nenhum-zinho, só criticar mesmo na esperança de mudar alguma coisa lá, más acho difícil. Bom agora q vc se identificou como piloto, e pelo modo como vc disse acredito eu q vc quis mais ironizar a situação e brincar com seu comentário, de imediato já achei q vc era um pela saco da ANAC vindo aqui no blog tirar uma com a nossa cara ainda mais na situação q nós estamos ou melhor, q ela nos deixou nesta situação deplorável. Marcius se vc se sentiu ofendido peço desculpas cara, já q vc é um piloto também, mas como eu disse e repito achei q vc fosse um funcionário da ANAC, mesmo assim volto a pedir desculpas a vc, creio q vc quis mesmo ironizar e brincar, até entendo vc de um certo ponto, tem horas q vc chora ou da rizada da desgraça, ai fica a escolha de cada um.

            • Marcius
              3 anos ago

              Relaxa Wagner, está tudo bem!
              Eu quis ironizar a situação, mas depois percebi que poderia ter escolhido melhor as palavras, Aí já era tarde!

              Também estou preocupado com os rumos que nossa aviação está tomando.
              Acredito que, somente levando todos esses exemplos através da imprensa (revistas, TVs, jornais), através de matérias pagas, poderíamos colher algum resultado a nosso favor.

              Não podemos esquecer que os maiores escândalos de corrupção vieram a tona através da ajuda da imprensa.

              É a minha opinião.

  3. wagner
    3 anos ago

    Bom acho q as duas entidades deveriam procurar a imprensa, para expor os nosso problemas q também afetam a sociedade tanto diretamente como indiretamente, eu acho difícil os jornais nos darem atenção, o motivo todos já sabem ( Governo x Dinheiro x Cala a boca x Imprensa ). Mas temos q tentar todas as opções possíveis logico dentro da lei, se não nos tornaremos como os PTralhas (Bandidos), e isso não somos acredito eu! Eles os jornais, não Adorão, publicar quando acontece um acidente ou incidente, na minha opinião parecem abutres atras de carniça mas e isso q o povão gosta de ver desgraça dos outros né, então pq não divulgam nosso problemas antes q uma tragedia maior aconteça.

  4. Beto Arcaro
    3 anos ago

    Acho que grande parte do problema da ANAC é de responsabilidade nossa.
    Muitos tentam ser políticos, de um jeito que já não dá mais pra ser.
    Não funciona mais!
    Pessoas apresentam soluções milagrosas sem o menor senso de realidade.
    Empurram a sujeira pra debaixo do tapete, por 15 minutos de fama.
    Dalí um tempo, o problema volta pior do que era.
    Aí as mesmas pessoas aparecem dizendo:
    Veja bem…. Vocês têm que ver que a ANAC se esforça, não tem “Pessoal”, “Vocês só sabem reclamar”, “Naquela época, EU já dizia que….”….
    Sabem porque estas pessoas estão aí?
    Por que deixamos!
    Eles têm que trabalhar pra gente, e não o contrário !
    Inteligência, realismo e ousadia!
    Só assim, se resolvem os problemas com a ANAC.

    • Leitor
      3 anos ago

      Concordo em gênero, número e grau.
      Para piorar, não tivemos coragem de fazer uma paralização por mais que uma horinha e nos vendemos por sete por cento de aumento.
      Deveríamos aprender com os motoristas de caminhão que estão bravamente lutando por melhorias.

  5. Southpilot
    3 anos ago

    O Brasil está completamente largado em todas as áreas. Acéfalo, governo só tinha algum tipo de projeto para suas próprias roubalheiras. Tudo que é relacionado ao atendimento ao povo/cidadão/pessoas que financiam a coisa toda, está assim. Completamente abandonado!

  6. Bruno
    3 anos ago

    Raul, estamos caminhando para mais 3 meses de habilitações renovadas automaticamente?

    • raulmarinho
      3 anos ago

      Who knows????

  7. Philip
    3 anos ago

    “Clap clap clap clap clap clap…”

    Sem mais.

  8. Beto Arcaro
    3 anos ago

    Haha….
    Justo quando eu ia escrever lá no outro Post, que para os Aviões à coisa não é muito diferente.
    A ANAC “já deu” Raul!
    As Associações e o Sindicato têm que assumir!
    Infelizmente, a mentalidade volta à ser “OCUPPY ANAC”!
    E outra:
    Tem que ir pra imprensa, com a mesma repercussão do Movimento Caminhoneiro!
    Ou vocês acham que ainda tem jeito?
    Os “Sabonetes” pensam que sim…

Deixe uma resposta