A nota da Folha sobre o corte de 700 funcionários da Azul

By: Author Raul MarinhoPosted on
710Views13

A ‘pilotosfera’ deverá se incendiar hoje com a nota publicada na Folha de S.Paulo (coluna da Mônica Bergamo) dizendo que a Azul pretende cortar 700 funcionários de seu quadro, devido à interrupção de 12 rotas. É claro que se trata de uma péssima notícia para o mercado de trabalho de pilotos, ainda mais sendo a Azul a companhia mais agressiva do cenário brasileiro da aviação comercial. Mas, antes de infartar com essa informação, leia o restante da nota, na parte que fala da reunião do fundador e do presidente da Companhia com o ministro da SAC. Isso talvez seja a parte mais importante do texto.

O que está escrito nas entrelinhas é que está-se urdindo uma manobra política para viabilizar a liberação de, pelo menos, R$500milhões para o cambaleante PDAR não afundar de vez em 2015. E isso, meus caros, pode ser a notícia mais positiva de 2015, pois sinaliza que “forças políticas poderosas” (a.k.a. PMDB) estão dispostas a jogar pesado em favor da Aviação Regional, que é o que realmente poderá fazer a diferença para o mercado de trabalho de pilotos no médio prazo.

Então, o resumo da nota é o seguinte: para quem está contando com as vagas de copiloto na Azul para conseguir um emprego em 2015, de fato há um enorme CB logo à frente, cheio de raios e chuva de granizo; mas, por outro lado, as chances de o mercado melhorar no médio/longo prazo, com a aviação regional finalmente saindo do papel, agora ficam um pouco mais viáveis. Porque, se não houver uma pressão política MUITO forte a favor do PDAR, será impossível brecar o ímpeto contracionista do nosso amigo Joaquim Levy, e isso sim poderia trazer um impacto extremamente negativo para a aviação por muito mais tempo.

 

13 comments

  1. Sergio Roberto Santos
    3 anos ago

    O que faz a aviação crescer e contratar pilotos e copilotos é o crescimento econômico sustentável.
    Se formos depender de pressão politica estamos perdidos, porque neste momento todos estão fazendo esta pressão e no Brasil aviação é “negócio de rico”.
    Ou alguém acredita que na hora de liberar algum subsidio o emprego de pilotos vai ter prioridade sobre o emprego do operários da industria automobilística.
    A aviação regional vai depender da sua demanda e podem acreditar, por mais que não gostem, que quanto mais o governo mexe pior fica.
    E desculpem o trocadilho infame, mas apertem o cinto para 2015 e 2016 porque a nossa piloto sumiu já em 2011.

  2. Marcos Véio
    3 anos ago

    “Forças políticas poderosas”

    Raulzito, tu só pode estar de brincation uite me?

    Outra notícia da folha de hoje. “Prejuízo da Gol na casa de 1,1 Bi no ano.”

    Vai azedar a maionese. Quem não morrer, verá.

    • Marcos Véio
      3 anos ago

      Aaah!

      Ta na folha também que o Levy, quer aumentar ainda mais o corte no orçamento.

    • raulmarinho
      3 anos ago

      Se o PMDB não for uma força poderosa na política atual, então quem é?

      • Marcos Véio
        3 anos ago

        Tu tens razão. O PMDB está no poder a muito tempo. Ninguém consegue governar sem a sua bancada. A maior do Brasil. Sendo assim. Duvido que isso mude a realidade que vivemos. Nos resta aguardar o novo apagão em 2030.

  3. Bob
    3 anos ago

    O fato é a própria presidência da Azul ter dito que seus passageiros a negócios caíram 30%. Não acredito que injetar 500 milhões (que parece muito, mas na prática não é) vá resolver alguma coisa. O que tá faltando é PASSAGEIRO! As atividades comerciais, industriais e de serviços estão sofrendo os impactos da desconfiança do mercado. Planos estão sendo abortados ou adiados. Esse ano tem tudo pra ser barra pesada. Se ficar só em 2015, já estamos no lucro. Além disso ela cortou o voo para 11 cidades e estuda cortar mais 12 pelo que li. Também temo que a liberação desse dinheiro, em tempos de contenção de despesas, pode provocar um ciúme em outros setores, que vão cobrar desonerações e incentivos, que o governo agora não tem como bancar. COMPRICÔ!

  4. Se há algum ministro (dentre esses 39) que pode conseguir fazer algo, a despeito das tesouradas todas, é o Dr. Eliseu Padilha. Aguardemos. Ou – para os casos mais urgentes – emigrem assim que puderem.

    • raulmarinho
      3 anos ago

      Concordo. Na prática, o PMDB hoje tem mais poder que a Dilma.

  5. André
    3 anos ago

    De 700 aeroportos prá mais, teremos 700 demissões prá mais! Vlw Dilma!

  6. pereira
    3 anos ago

    será que dentre esses 700 tem muito piloto ou a maioria é comissário?

    • raulmarinho
      3 anos ago

      Eu acredito que a maioria seja funcionário administrativo…. Mas há a possibilidade de haver tripulantes nessa multidão, sim. O que importa, de qualquer maneira, é o forte indício de que as contratações deverão ser interrompidas, essa é que é a grande má notícia da nota.

  7. Philip
    3 anos ago

    Não julguemos o livro pela capa, mas há de se concordar: o duro é acreditar nas “forças políticas poderosas”…”oremos irmãos”.

Deixe uma resposta