Sobre o “hacker que controlou um avião comercial” nos EUA e a irresponsabilidade da imprensa ao lidar com questões importantes da aviação

By: Author Raul MarinhoPosted on
827Views1

Nos últimos dias, toda a imprensa noticiou a falsa informação de que um Hacker conseguiu invadir sistema de avião durante voo, segundo FBI. Ok. Então, um sujeito de “aparência exótica” (não posso dizer que “tem cara de maluco” senão firo suscetibilidades…) se abaixa e conecta seu notebook à fiação que passa embaixo do seu assento (imagino que tenha que descascar fios, colocar fita isolante, etc.), e ninguém percebe: nem comissários, nem outros passageiros (detalhe: isso foi feito mais de 15 vezes!). Aí, com essa gambiarra ele entra no sistema de entretenimento da aeronave e, por meio deste, controla os motores do avião, fazendo com que ele suba, desça e “voe de lado” (!!!???) – e é claro que os pilotos nem notaram. Dá para acreditar nisso? Ei, espere! Antes de responder, lembre-se de que foi o FBI que disse que isso aconteceu. E agora, acredita?

O blog Aviões & Músicas, habitual ‘mythbuster’ desse tipo de informação, já provou que isso não faz sentido. Mais do que isso: o A&M revelou que, na verdade, o FBI não afirmou que o hacker invadiu o sistema, e sim que ele (o hacker) disse que invadiu, o que é completamente diferente. Mas quem se importa? O Jornal Nacional falou que invadiu, então está falado, né? E o mais incrível é que o público protestou contra a matéria do JN, mas não pela evidente falha de reportagem, e sim pelo “preconceito do apresentador” em dizer que esse sujeito da foto abaixo tem “cara de maluco”…

malucoEste é o tal do hacker que o W.Bonner disse ter “cara de maluco”… E foi taxado de preconceituoso!

Mas voltando ao post do A&M acima citado, vejam o que está escrito no final do texto:

(…)

Já perceberam que nos jornais da noite, muitas vezes temos vídeos mostrando um bandido atirando contra a vítima e ele é chamado de “suspeito” e que cometeu um “suposto crime”? Você está vendo o cara atirar, você está vendo o político recebendo o dinheiro, mas não se pode afirmar, apenas “suspeitar”. A imprensa leva isso a sério porque é responsabilidade jurídica.

No entanto, um cara qualquer diz que controlou um avião através de uma caixa embaixo do assento e isso vira fato verídico, comoção, e o pior, ainda colocam a chancela de que um órgão federal de investigação “confirmou” a informação.

Na verdade, é este o foco deste post: falar sobre a (ir)responsabilidade da imprensa ao noticiar questões importantes da aviação. Porque isso traz consequências graves e afeta a vida de muita gente! Não estou me referindo a textos que falam sobre o “bico do avião”, ou sobre a “hélice do helicóptero” – que são erros irritantes, porém sem grandes consequências -, mas sim sobre erros que fazem com que as pessoas se informem de maneira equivocada, e tomem decisões ruinosas para suas vidas.

O exemplo clássico são as inúmeras matérias que saíram na imprensa alguns anos atrás sobre o “apagão de pilotos”. Quantas pessoas não mudaram o rumo de suas vidas profissionais com base nelas? E agora, o sujeito que largou a faculdade de engenharia e vendeu o carro para custear sua formação de PCH e está desempregado faz o quê? Processa o Estadão ou a TV Globo? É claro que isso não seria possível: o sujeito vai amargar o prejuízo sem nem pode reclamar de “propaganda enganosa” – afinal de contas, as notícias ufanistas sobre a profissão de piloto não eram (formalmente, ao menos) propaganda…

Voltaremos a tratar deste assunto em breve aqui no blog, num outro contexto. Aguardem.

One comment

  1. Marcos Véio
    3 anos ago

    Eu também me senti ofendido. Possuo aparência exótica. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Falando sério. Mais exótico é um sujeito desse “naipe” ganhar tanta atenção.

Deixe uma resposta