ANAC cria nova estrutura administrativa para coordenar suas ações relacionadas ao SIPAER

By: Author Raul MarinhoPosted on
749Views4

Vejam nesta nota publicada no Portal ANAC que a Agência criou uma nova estrutura administrativa para coordenar suas ações relacionadas ao SIPAER, a ASIPAER-Assessoria de Articulação com o Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, em substituição à GGAP-Gerência-Geral de Análise e Pesquisa. Na prática, este novo departamento terá por objetivo integrar as ações do CENIPA, um órgão da FAB vinculado ao Ministério da Defesa, na estrutura da ANAC, uma agência reguladora vinculada à Presidência da República. Em termos administrativos, há que se reconhecer que é uma integração extremamente complexa.

Porém, a parte mais importante da nota não é o que está acontecendo, e sim quem está fazendo acontecer. O responsável pelo ASIPAER é o Sr. Mauricio Gusman Filho, que é um dos profissionais mais competentes e sérios que eu conheci na ANAC (há um mini-currículo na nota mencionada), e que possui excelente trânsito tanto junto ao COMAER/CENIPA (já que é oficial da reserva da FAB e investigador de acidentes aeronáuticos), quanto na própria ANAC, onde atua desde a sua fundação.

Em meio a tantas informações negativas sobre o Brasil, a aviação, e a ANAC, esta é uma exceção que precisa ser comemorada. Parabéns à Agência e ao Gusman!

4 comments

  1. kakodf
    3 anos ago

    Muitas recomendações carecem de viabilidade.
    Realmente é necessário melhor articulação.
    Mas se a medida será positiva ou negativa, prefiro aguardar para opinar.

  2. Augusto Fonseca da Costa
    3 anos ago

    Correção da resposta acima: já QUE as aeronaves erroneamente chamadas de experimentais também VOAM e também MATAM e não se tem sequer estatísticas sobre isso.

  3. Augusto Fonseca da Costa
    3 anos ago

    Folgo em saber que alguém capacitado preencherá esse vazio ANAC/SIPAER.
    O CENIPA, já na DIVULGAÇÃO OPERACIONAL nº 007/2013, de 28/06/2013 encaminhou 8 RSVs (Recomendações de Segurança de Voo) às Escolas de Aviação e Aeroclubes e 3 RSVs à ANAC nesse sentido, mas a ANAC além de tê-las ignorado, também não exigiu que as escolas as seguissem. Ver em http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/divop/arquivos/DIVOP_007_2013.pdf
    E com essas e outras, os acidentes se sucedem.
    Seria uma grande atitude também incluir a aviação experimental, hoje pária, nas investigações de acidentes, já as aeronaves erroneamente chamadas de experimentais também VOAM e também MATAM e não se tem sequer estatísticas sobre isso.

Deixe uma resposta