“Novinhos” da Azul, uni-vos! Ou vocês vão aceitar passivamente a culpa pelas pichações?

By: Author Raul MarinhoPosted on
1518Views24

Tanto nos comentários dos posts publicados neste blog sobre o problema das pichações nas capas de manche do Embraer-190/195 da Azul (vide aqui e aqui), quanto no que se escreve nos tópicos sobre este assunto nas redes sociais e fóruns de aviação, além das opiniões de leitores nos próprios sites noticiosos que veicularam as respectivas reportagens, chegou-se a uma unanimidade: os responsáveis pelo “Face do manche” teriam sido os copilotos “novinhos” da empresa – moleques inconsequentes e mimados, recém-formados pelas escolas de aviação, aeroclubes e, principalmente, faculdades de Ciências Aeronáuticas, inaptos a entrar num cockpit de avião de linha aérea. Mesmo sem nenhum vândalo ter sido identificado, ninguém na comunidade aeronáutica tem dúvida de que a política de contratação de copilotos da empresa, que desprezaria os mais experientes, é o que teria gerado todo o problema. Mesmo que, algum tempo atrás, uma outra companhia (que nunca contratou recém-formados) tenha sofrido vandalismo semelhante, com pichação nas capas dos diários de bordo, é claro que no caso da Azul foram os “novinhos”. Agora é só acender a fogueira e assar esses novatos insolentes. Queimem, hereges!

Não sei quem foi o responsável pelo vandalismo na Azul. Pode até ser que tenha sido algum “novinho” mesmo – ou vários, ou muitos, sei lá eu. Acontece que não importa se o vandalismo nos cockpits da Azul tenha sido obra de funcionários “novinhos” ou de “velhinhos”, e tampouco vem ao caso a política de RH da empresa: se ela acha melhor contratar recém-formados, problema dela, desde que de acordo com a regulamentação (e se, no fim das contas, for uma política equivocada, também não seria “culpa” dos novatos!). O que não faz sentido é imputar a culpa pelo vandalismo a todo um grupo – no caso, o de pilotos contratados com baixa experiência. Não é justo, não faz sentido, e vai estigmatizar um monte de gente por muito tempo. Alguém sempre vai fazer um comentário maldoso, e se um desavisado perguntar o porquê daquela fita adesiva numerada, então… Isso sem contar que a imagem do manche lacrado está correndo o mundo Facebook afora e, a uma hora dessas, em todo lugar que opera os E-Jet‘s já se sabe que “os ‘novinhos’ do Brasil são moleques vândalos inconsequentes”. Essa é a verdade que irá ficar consolidada – e você, “novinho”, que não tem nada com isso, vai sofrer a consequências quando, por exemplo, for para um screening na China ou numa Emirates da vida.

24 comments

  1. Murilo Neto
    3 anos ago

    Isso não ocorre somente na azul, hoje vi um vídeo numa rede social de um piloto da UNITED que tira e mostra o fundo da capa do manche, são desenhos e palavras de baixo calão, e com certeza não foram feitos de forma rápida pois os traços do desenhos são grossos, o que significa que levou um certo tempo para fazer o desenho, o que leva a crer que mais pessoas podem ver o ato e nem ligar, pois com certeza daria tempo de ver o piloto (ou qualquer funcionário da empresa) praticando tal ato. É mais decepcionante ainda ver que isso não ocorre só aqui!

  2. INVA JUNIOR
    3 anos ago

    aviação é lugar de gente nova mesmo,

  3. Carlos Triebsees
    3 anos ago

    Brilhante colocação Raul!! O veredito já foi dado , foram os “novinhos”. Só para esclarecer, eu , atualmente estou cursando a Faculdade de Ciências Aeronáuticas da PUCRS! Passei oito anos da minha vida no Exército como oficial temporário, juntei dinheiro , vendi um imóvel e pago pelo meu ensino e formação ! Para mim , é muito duro ter que ouvir que a faculdade é malfadada , eu tenho aula com o professor Hildelbrando , chefe da engenharia da extinta VARIG e engenheiro participante do projeto do 737 NG , uma das maiores autoridades em aviônica no Brasil , tenho aula com o professor Bittencourt , meteorologista formado em Washington nos EUA , professor Phd Éder Erickson uma das maiores autoridades em CRM no Brasil, Cmte Scherer , comando master na VARIG , voando do DC-3 ao 747!!! Então auto lá quando falam de um dos melhores cursos do Brasil que forma profissionais para a aviação a mais de 20 anos. Existem egressos dessa malfadada faculdade na Emirates , na Qatar , Ryanair , só para citar algumas empresas. Então os profissionais ali forjados não devem ser tão ruins assim ! Esses supracitados já foram novinhos e alcançaram o sucesso na carreira.
    Dito isso , tenho que concordar que muitos são sim , filhos e parentes de velhas águias e que sim acham Que já estão na Azul , porém tem gente boa lá dentro que se esforça e estuda muito , rala mesmo para se formar e concluir o curso.
    Muito se discute também a questão da experiência, mas eu pergunto, o que vale mais, voar 1.000 horas sendo a maioria em voos visuais e locais ou voar um programa de voo simulado com uma carga de mais de 60 horas entre corisco , seneca e tendo inclusive sessões de LOFT, sendo isso conciliado com mais cadeiras de fraseologia , tráfego aéreo internacional , fraseologia internacional, terminologia , toja , etc… Cadeiras aplicadas diretamente a aviação ?

    Faço esse comentário e convido a todos para a reflexão, será que não é toda a sociedade que mudou? Será que só os novinhos da puc não tem atitudes condizentes ou será que toda essa nova geração está reagindo ou tendo esse padrão de comportamento?

    Sera que a companhia não tem capacidade de realizar durante a seleção um filtro melhor e identificar os comportamentos ou desvios? E mais será que o rh da empresa não consegue conversar com a faculdade e analisar o histórico do camarada ao longo de 3 anos?

    Espero aqui ter contribuído para a discussão , não acusando ninguém , nem muito menos isentando quem errou , mas não posso aceitar que tudo e todos que tenham algum envolvimento com a Faculdade de Ciências Aeronáuticas sejam estigmatizados !

    • A.M.Filho
      3 anos ago

      Olá amigo, primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo fato de cursar Ciências Aeronáuticas na PUCRS que é a melhor faculdade do gênero no país. Acho que é consenso na comunidade aeronáutica da qualidade, muito superior, da sua faculdade frente aos demais cursos no Brasil. Permita-me discordar de seu comentário em alguns pontos. Não sei como você chegou a conclusão de que o episódio em questão (Face do manche) é uma forma de estigmatização a quem cursa uma faculdade de CA. Talvez eu tenha perdido algo nas discussões, mas se alguém chegou a essa ideia, saiba que não é unanimidade. Talvez você tenha associado os “novinhos” aos egressos da PUC, que neste caso são bacharéis em Ciências Aeronáuticas. Entretanto, a empresa (Azul) não contrata apenas “novinhos” provenientes da PUC. Contratam “novinhos” e “velhinhos” das mais variadas origens.
      Acho um erro a ideia de associar a crítica a prática criminosa (Face do Manche) aos “novinhos”, assim como não concordo com a forma que este post foi escrito, pelo simples fato que ninguém, em sã consciência, com 150 horas de voo irá chegar a uma empresa aérea “causando”. Quem faz tal atitude é alguém que tem uma certa bagagem e digamos, uma certa mágoa com expectativas não atendidas (Não necessariamente procedente) por parte da empresa, mesmo que tenha sido , até então, o seu único emprego na aviação. É preciso que tenha existido um histórico de relacionamento entre o “reclamão” e a empresa para que o indivíduo tome tal atitude, mesmo quando ocorre com ataques a colegas é um sinal que se perdeu o respeito pelo seu empregador (Que acontece com o tempo). É claro que isso tudo só é possível ser operacionalizado por mentes imaturas.
      Maturidade é algo que se adquire com o tempo, experiência, estudos e aconselhamento. Pode-se até dizer que há uma média nisso entretanto, quando se fala em ser humano, não existe uma verdade absoluta. O desvio padrão é sempre uma possibilidade. Basta ver o fato de ter ocorrido pichações do lado esquerdo do cockpit (Cmte), que é alguém que já tem uma bagagem considerável (Maturidade nem tanto). Por outro lado, existe exemplo, como o do rapaz que tinha sido recém contratado por uma outra companhia aérea e foi a um baile funk com o uniforme completo da empresa (Falta maturidade também).
      Por fim, gostaria de dizer a você pra tomar cuidado com certos preconceitos que existem na aviação, principalmente quando ocorre pra reafirmar nossa posição ou para minimizar algo que não temos em nosso currículo. Torço muito pra que você e sua turma consigam ir direto da faculdade para a Azul. Para que isso ocorra, é preciso que a empresa tenha a necessidade de contratação mas, como você deve estar acompanhando, o mercado não é nada promissor nos próximos dois anos (pelo menos). Talvez seja necessário começar em pitch mais baixo, na instrução por exemplo. Te garanto que após 2-3anos de instrução e umas mil horas de voo, você será outro profissional, mesmo que seja só VFR (Como você falou) e hora de “mosca de bolo” (TGL). Não acho que alguém com mil horas de voo em aeronave VFR de baixa performance terá um desempenho tão mais surpreendente no treinamento de uma empresa de linha aérea do que alguém sem experiência. Já não falo o mesmo com relação a maturidade profissional que essa sim, é transformadora depois de um tempo imerso na aviação, mesmo a de pequeno porte. O dia a dia de operação, as pressões da empresa, lidar com manutenção, lidar com os mais variados tipos de seres humanos, lidar com meteorologia, lidar com todo o nosso sistema de aviação que é um caos, dentre outros, fazem com que você mude a sua cabeça em pouco tempo. Pra não ficar somente na instrução, o que dizer de alguém com Mil horas de voo na aviação agrícola? É VFR também entretanto, os desafios são enormes.
      É isso, parabéns mais uma vez pelo curso que você realiza, realmente existem vários profissionais com a sua mesma graduação espalhados pelo mundo, como você disse. Assim como, existem profissionais renomados na aviação com formações diferentes. O importante é a integração entre todos e o aprendizado em conjunto.
      Bons voos!

  4. Voante
    3 anos ago

    Aviadores bons e ruins existem em todos os lugares.
    Tem muito moleque babaca e tem muito veterano mais sujo que pau de galinheiro.

    Está errado rotular, generalizar e postar comentários levianos.
    Primeiro investiguem, tenham provas do ocorrido para depois, sim, apontarem o dedo.

    Sou totalmente contra atitudes como essa, de picharem o manche de um avião ou seja lá qual peça ou componente seja.
    Isso é coisa de vagabundo (novinho ou velhinho).

    Agora…, que tal aprender um pouco com os caminhoneiros, que estão dando um banho de união e coleguismo.
    Quem sabe o caminho para uma aviação mais forte e unida venha através de exemplos da turma do asfalto.

    É a minha opinião.

  5. saco cheio
    3 anos ago

    Vão me desculpar, meus caros….
    Mas enquanto vcs discutem isso….tem empresa aérea que hj, dia 09/11, não pagou o salário ainda….além disso, teve um cmte infartado num pernoite, ainda hospitalizado e a empresa quer transferí-lo pro SUS…..

    • anonimo
      3 anos ago

      Avianca?

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      Isso quer dizer que, como há chacinas acontecendo nas periferias não se pode discutir o assédio sexual nos trens do metrô? As mulheres encoxadas só poderão reclamar quando acabarem os assassinatos?

      • saco cheio
        3 anos ago

        Não.
        Mas vc, como membro do sindicato deveria dar mais importância a fatos como o citado do que a babacas que escrevem no manche, coisa mais antiga que a aviação.

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Em primeiro lugar, o que escrevo aqui é uma coisa, o meu trabalho no SNA é outra. Então, eu não poderia igualmente publicar o post que acabei de colocar no ar, sobre o fechamento do Aeroclube de Sergipe, enquanto não resolver o problema dos INVAs trabalhando sem carteira de trabalho, por exemplo? A questão trabalhista dos INVAs não é mais importante que o fechamento de um aeroclube? Mas, no final, se fecharem todos os aeroclubes, onde é que os INVAs vão trabalhar?
          Em segundo, a questão é que o caso do “Face do manche” é muito importante, e justamente por ser uma “coisa mais antiga que a aviação” é que precisamos debatê-la. Afinal, não foi à toa que chegamos a uma aviação em que o maior inimigo de um piloto é o seu colega, não é mesmo?

  6. Zé Maria
    3 anos ago

    Verdade verdadeira, após ler os posts do Yuri e do Rafael e as justificativas do autor, desnecessárias porquanto o Raul simplesmente narrou os acontecimentos e nada mais:
    A origem da Azul é majoritariamente composta por ex-variguianos, então é o seguinte:
    O filho, sobrinho, neto ou o escambau de um ex-variguiano sabe que, para poder tirar partido do “QI” que já está “engatilhado”, faz-se obrigatória a conclusão do malfadado curso de ciências aeronáuticas, daí que os “leitinhos”, naquela de quererem sempre mais e mais, porque se acham no direito por serem descendentes diretos das velhas águias, começam à exigir mais do que aquilo que havia sido prometido, e como às vezes a realidade é outra, começam a vandalizar, protegidos pelo anonimato.
    E não me digam que pode ser alguém das antigas, porque os de mais idade só estão na Azul por absoluta falta de oportunidade nas outras, simples assim, punto e basta!
    Zé Maria

    • Yuri
      3 anos ago

      Zé, boa noite. Com todo respeito, discordo do seu comentário. Brincadeira alguém generalizar que um indicado ou filho de comandante é o responsável por vandalizar o avião. É preciso ter mais cuidado com acusações sérias assim. Existem provas? Ou é só achismo? Se for a primeira opção, estamos aguardando as provas, se não, melhor deixar esse assunto de lado para não ficar alimentando ódio de forma totalmente desnecessária para toda uma categoria profissional.

      • Zé Maria
        3 anos ago

        Yuri, em primeiro lugar, grato pelo comentário complementar.
        Em segundo, todo mundo sabe, inclusive eu e você, que por muitas vezes “sobe à cabeça” do sujeito que, pelo simples fato dele ser aparentado de algum “big shot”, as coisas devam ser mais fáceis para ele.
        Foi essa a minha intenção, não me interessa fomentar o ódio ou a discórdia, muito pelo contrário, mas que, tanto eu como você, como também a “torcida do Flamengo” bem o sabemos, gente desse naipe existe às pencas e na Azul foi fato concreto e talvez ainda o seja, simples assim.
        Abraço e bons vôos.
        Zé Maria

  7. fernando
    3 anos ago

    O que é ignorado quase na totalidade dos comentários que culpam aos “novinhos”, é que dentro do cockpit do E-Jes existem duas capas / chart holders, nos dois manches, e ambos foram alvos de vandalismo.

    Não foram poucos os episódios em que ouvi comandantes ANTIGOS e(Ex Varig, VASP etc) descontentes chamando o Embraer de “avião de m$&%a”, a Azul de “empresa lixo”, o salário de “salário de fome” etc. Esses comentários acabaram causando um efeito “bola de neve” que claramente contaminou o ambiente e influenciou colegas “novinhos” e/ou “velhinhos” a “entrarem na onda” de maldizer seu equipamento e seu emprego, a cuspirem no prato em que comem.

    Alguém acha que um aluno que saiu do aeroclube, voava um aero boero e ganhava mil reais por mês, e pouco tempo depois começou a voar um E190, ganhar 6-7 mil, iria chegar sozinho às “conclusões” postadas no “face do manche”?

    • Zé Maria
      3 anos ago

      Fernando, seguinte:
      Respeitando o seu comentário, os velhinhos só estão na Azul por absoluta falta de oportunidade nas outras, e eles sabem qual é o jogo que está sendo jogado, então acho meio difícil o cara primeiro aceitar e depois ficar chiando. . .
      Abraço.
      Zé Maria

  8. Yuri
    3 anos ago

    Algumas colocações sobre isso. Primeiro, contra comentários irracionais e ilógicos, não adianta discussão. São os mesmos comentários odiosos que vemos internet à fora, como uma moça que posta uma simples foto depois de cortar o cabelo e é chamada de “bovina” nos comentários. Não vale a pena perder tempo com isso.

    Outro ponto. Peço desculpas Raul, acompanho seu blog há muito tempo, seus artigos são referências que eu agradeço muito por ter à disposição publicamente, mas discordo veemente que exista alguma possibilidade de um profissional de uma empresa ser “queimado” em uma seleção no exterior por esse acontecimento. É possível determinar se foi o piloto, mecânico, comissário, profissional da limpeza, “tio da água”? O acontecimento se deve a uma grande somatória de fatores. Entre eles algo cultural brasileiro, todas as frustrações que vem acontecendo no Brasil, educação deficiente, tanto da formação básica e profissional quanto familiar. Não estou tentando justificar o injustificável. A prática foi deplorável seja lá quem a tenha feito. Mas algo assim não é tão simples de se deduzir com um simples “culpa do RH”. Durante os voos, nunca vi ninguém escrever algo.

    Os salários abaixo da média praticados na Azul acabaram calhando por questão de mercado. Muito piloto sobrando, média salarial reduzindo. Vale lembrar que a mesma TAM que paga os maiores salários atualmente, tinha salários mais baixos comparando com VARIG, VASP, etc. nos “anos dourados”. Quem tem o mínimo de conhecimento de economia sabe do que estou dizendo. A promessa na Azul era de escalas melhores para compensar a defasagem. Tenho em média 13 folgas/mês, sempre agrupadas e raras monofolgas. Estou satisfeito? Na questão salarial não quanto gostaria. Mas enquanto o mercado estiver sobrando profissionais, a negociação fica comprometida. A regra do jogo sempre foi essa e as cartas estão na mesa, não é novidade alguma. Ninguém é obrigado a se candidatar. Em compensação, a chance de sair comandante também é maior que comparada nas concorrentes. Por outro lado, a carteira não é tão “valiosa” no exterior por assim dizer. Esse caminho profissional é apresentado em contras áreas do mercado. Empresas multinacionais de consultoria em TI, por exemplo, iniciam com salário abaixo da média, mas possuem ascensão na carreira mais rápida que outras. Simples questão de escolha a seguir: algo que te dê mais retorno financeiro inicial, mas sem previsão de promoção ou um caminho mais rápidos porém com salário inicial inferior. Qual é melhor? Depende dos seus objetivos.

    Só novinhos? Bobagem. Na minha seleção tinha de tudo. Pilotos experientes (que também passaram) com mais de 40 anos, pessoal mais novo e novatos. Eu mesmo fiquei um pouco surpreso, de tanto falarem que só tinha novato.

    Agora, os que tanto reclamam de “Azulboys”… Termo altamente pejorativo e rotulante. Aos que nem entraram na linha ainda, mas entram sempre na caixa de entrada do e-mail esperando “aquela” convocação, ou alguns demitidos de outras companhias anos atrás e foram correndo bater à porta. Melhor guardar as palavras no calor do momento e refletir antes de julgar livremente o caráter das pessoas, como se estivesse comparando margarina no mercado. Mostrem-se maduros o suficiente para tecer um simples comentário, caso contrário, não se mostrarão responsáveis o suficiente pelas vidas que levam em seus voos, muito menos preparados para serem chamados de verdadeiros comandantes algum dia, visto que para o cargo não basta apenas “pé e mão” e quatro faixas, mas também caráter e responsabilidade nos seus atos e decisões.

    • Raul Marinho
      3 anos ago

      É possível determinar se foi o piloto, mecânico, comissário, profissional da limpeza, “tio da água”?
      =>Não, não é. Muito menos se foi um piloto “novinho”, “velhinho”, se é um único revoltadinho, se são vários, etc. Mas já se admitiu que foram os pilotos recém-formados que fizeram isso, e agora todo mundo acha que foi mesmo. É justamente esse o problema que eu quis apontar no post.

      • Rafael
        3 anos ago

        Existe um enorme equívoco e falta de sentido neste post. Os “novinhos” são os que menos têm motivos para tais atos. São ultimos na fila em um país em crise. Estão dando graças a Deus por estarem empregados e felizes da vida por terem entrado direto em uma aeronave a reação enquanto milhares de profissionais sitados acima desesperados por estarem na vaga de um novinho. Realmente é o post do blog que menos faz sentido. Se vc fosse citar pilotos mais antigos cansados ou inconformados com salário abaixo do mercado comparado com outras empresas ou com uma política que até então ne, afetou diretamente algum novinho ou mesmo nem deu tempo para isso. Volto a falar que os novinhos são os que menos têm motivos para tais atos e esse post demonstra um certo preconceito pra não dizer inveja a profissionais que foram avaliados em diversas fazes sendo estas entrevista, dinâmicas, provas teóricas e simulador estando merecidamente aonde estão. Qual seria o motivo de os que recentemente conseguiram um lugar no parado mercado da aviação nacional estarem fazendo isso Sr. Raul? Admiro seu blog mas foi o post mais sem nexo e pra não dizer, colocar lenha em uma fogueira que já apagou.

        • Raul Marinho
          3 anos ago

          Acho que vc não entendeu o que eu tentei transmitir… Não acho que faça sentido (o fato de os “novinhos” serem acusados de pichar os manches), na verdade nem entrei nesse mérito. O que eu disse – e isso é facilmente comprovável lendo os comentários nos posts sobre o assunto aqui mesmo no blog – é que estão debitando o vandalismo das aeronaves da Azul na conta dos novatos. E, infelizmente, essa fogueira não se apagou, não.

      • Yuri
        3 anos ago

        Raul, olá novamente. Esse comentário não foi direcionado à você. Só não concordei com seu comentário da possibilidade dos profissionais serem queimados por isso. De resto, são informações para refletir. Acho que não devemos levar em consideração achismos de qualquer um. Não é porque alguém comentou que foram novatos que devemos levar esse tipo de comentário à sério. Um aviso à todos. Parem de achar que a empresa X, Y ou Z são melhores ou piores. Agarrem a oportunidade que surgir e trabalhe com profissionalismo absoluto. Na hora da demissão, não vão contar a quantidade de estrelinhas na testa que ganharam falando que sua empresa é melhor que a outra. Somos colegas de trabalho, novos ou velhos, experientes ou novatos, somos todos aviadores. Todos aqui começaram do zero e sentiram o tesão de atingir um grande objetivo, ainda em busca de outros maiores. Espero que todos alcancem seus objetivos, sempre respeitando os outros, pois somos colegas de profissão.

        • anonimo
          3 anos ago

          Sabias palavras Yuri

    • João
      3 anos ago

      Olá, pretendo me formar aviador e não entendi muito bem o que você quis dizer com “Em compensação, a chance de sair comandante também é maior que comparada nas concorrentes. Por outro lado, a carteira não é tão “valiosa” no exterior por assim dizer”. Poderia explicar? Obrigado

      • Raul Marinho
        3 anos ago

        Eu te explico:
        1)Em compensação, a chance de sair comandante também é maior que comparada nas concorrentes.
        =>Isso quer dizer que a fila na Azul anda mais rápida, isto é: o tempo entre a admissão do cara como copila até sua promoção a comandante é menor na Azul do que nas demais companhias.
        2)Por outro lado, a carteira não é tão “valiosa” no exterior por assim dizer
        =>Para conseguir um emprego na China, na Emirates, etc., as melhores carteiras são de B737 e A320, sendo que o E190 não oferece tantas chances.

      • EC
        3 anos ago

        O que ele quis dizer é que na AZUL as chances de você ser promovido para comandante são maiores que nas outras empresas, em compensação se você quiser ir voar em uma empresa estrangeira, a habilitação do Embraer 190 não é tão valorizada, seria interessante você ter experiência em Boeing (GOL), ou Airbus (TAM), por exemplo.

Deixe uma resposta