Voo ‘visumento’: um dos principais riscos para a aviação geral de pequeno porte

By: Author Raul MarinhoPosted on
683Views1

Estes dias publiquei aqui um post explicando os conceitos do BGAST, um grupo criado para construir propostas de mitigação de riscos da aviação geral baseado em dados e com aplicação imediata. Destes riscos, talvez um dos mais dramáticos seja o infame “voo ‘visumento”, que consiste em voar sob regras visuais em condições de instrumentos. Dramático porque tem uma elevada taxa de letalidade, porque é evitável em 99% dos casos, e porque tem um curioso viés: ele ocorre mais com quem tem experiência média-alta do que com quem é novato ou está aprendendo a voar. Neste sentido, o post “8 Reasons Why Flying VFR Into IMC Is A Terrible Idea“, publicado ontem pelo BoldMethod é excelente: ele complementa a análise dos riscos do ‘visumento’ com fatos e dados claros e objetivos, bem ao estilo BGAST. Vale a pena acessar!

One comment

  1. JOSE CARLOS BARBOSA
    3 anos ago

    Ja passei por situações bastante complicadas neste sentido e incluiria ainda a entrada em vôo Noturno imediatamente após o por do sol, no famoso “vou entrar noturno, mas em 10 minutos chego ao destino”… se for em região onde o vôo Visual Noturno não é autorizado e principalmente se você não conhece a região, interrompa o traslado antes do por do sol, pois nem todos terão a mesma chance. O Maior risco é rede de alta tensão e eventual luz de emergencia que obrigue a pousar imediatamente, além obviamente de entrar instrumento pela não visualização de nuvens na maioria das vezes.

Deixe uma resposta