Para quem voa pistão arrumar encrenca nas conversas de porta de hangar

By: Author Raul MarinhoPosted on
609Views6

Você que voa aeronave a pistão já deve ter participado de – ou, no mínimo, presenciado – discussões acaloradas de porta de hangar envolvendo pilotos, operadores, mecânicos e curiosos de todo tipo falando sobre as particularidades da operação de motores a pistão. “Se seu avião fica parado muito tempo, então você deve rodar o motor pela hélice manualmente pelo menos uma vez por semana!”, por exemplo, é um clássico. Tente refutar uma “dica” dessas, e vai ser encrenca na certa: você será acusado de ingênuo ou inexperiente, aí você vai dizer que isso não está no manual do fabricante do motor, e a discussão vai durar horas sem que se chegue a um consenso.

Dito isto, caso você queira aumentar sua proficiência na arte de arrumar encrenca de porta de hangar, recomendo ler este artigo da AVweb: “The Ten Biggest Lies About Piston Aircraft Engines“. Aliás, a dica acima é a “mentira #4” da lista…

(Artigo desenterrado pelo Beto Arcaro – que, por sinal, é extremamente proficiente nesta “arte”).

6 comments

  1. Gustavo
    2 anos ago

    quando eu operava LOP tinha gente que morria.
    O patrão sorria
    Eu tinha o emprego.

    Agora é avião vendido e piloto na rua

  2. Beto Arcaro
    2 anos ago

    Raul, só tenho uma coisa à dizer:
    Tudo é tão simples!
    Tá tudo no manual!
    Os motores de hoje, são motores “antigos”, que passaram por modificações extremas, boletins, etc.
    Conversa de porta de Hangar, geralmente acaba em “Pano Preto”!
    Conversas técnicas, argumentos técnicos, manual?
    Tudo isso é bem impopular!
    Percebo que os culpados são os próprios Pilotos.
    Há cerca de um mês, eu estava em uma famosa oficina de motores, aqui em Sorocaba.
    A JL motores.
    Estava levando um longo papo com o proprietário: O famoso “João Mixirica”.
    Seu João já deve trabalhar com motores Lycomings e Continental pra mais de 40 anos.
    Ficamos horas conversando sobre tudo isso que o Mike Bush está “debunkeando”.
    Ultrapassado o Seu João?
    Negativo!
    Acredito que ele concordaria em 100% com o Mike Bush.
    Não só o Seu João, mas a maioria dos mecânicos (os quais eu conheço) concordaria !
    Conclusão que eu chego:
    Quem inventa é quem opera!
    Quando você fala que eu domino bem o assunto, eu digo que “não fiz mais que a obrigação”.
    Tive interesse, lia “Flyings” e o Mestre Fernando de Almeida, na antiga Skydive/Aeromagazine.
    Já percebia que existia uma tendência de “Telefone sem Fio”, na operação de motores à pistão.
    Sempre tentei fugir de mitos, voando às vezes, à contragosto de amigos, que nunca confundiram o “pessoal” com o técnico.
    Tenho três Flight Safety’s em aeronaves à pistão.
    Tudo que eu aprendi por lá, só fez confirmar tudo aquilo que eu já desconfiava.
    Não abro os Cowl Flapes na “Final”!
    Só abro no chão, com o Avião quase parado.

  3. André
    2 anos ago

    Caramba quanta merda esse cara escreveu. Concordo com pouquíssimos itens dessa lista. Se discordar dele é ser mentiroso, sou um grande mentiroso então!!

  4. Lauro de Andrade
    2 anos ago

    “Se seu avião fica parado muito tempo, então você deve rodar o motor pela hélice manualmente pelo menos uma vez por semana!”
    É controverso. O manual da continental instrui esse procedimento, porém não mais de 30 dias parado. Alem disso a continental indica preferencia por vôo semanal de pelo menos uma hora em cruzeiro. Acredito que manual é feito para ser cumprido, não para ser contornado por “dicas” de pessoas que se acham mais “qualificadas” que uma EQUIPE de engenheiros que estudaram por anos a fio.

    • Beto Arcaro
      2 anos ago

      Nunca vi isso no manual da Continental.
      Óleo só desce!
      Não vai ser virando “com a mão” que você vai fazer ele subir.
      Pra que haja o efeito “scavanging”, o motor tem que funcionar.
      Ou então você enche o motor com óleo de estocagem.
      Aí não precisa de nada disso.
      Hoje vi um Bonanza com vazamento no retentor da hélice.
      Pane de Avião parado.
      O peso do virabrequim mantém o óleo concentrado no hemisfério de baixo do retentor.
      O hemisfério de cima, resseca e “retrai” digamos que 0,5 mm.
      Me parece óbvio que você não vai conseguir “molhar” a parte de cima do retentor, só virando o motor com a mão.

      • Lauro
        2 anos ago

        Leia direito o engine care.

Deixe uma resposta