ATENÇÃO: Novas regras da ANAC sobre endossos e nova lista de habilitações de pilotos

By: Author Raul MarinhoPosted on
6456Views111

A publicação do novo regulamento da ANAC sobre licenças, habilitações e certificados para pilotos (RBAC-61 EMD006) significou, essencialmente, duas grandes novidades, ambas “inspiradas” pela respectiva regulamentação da FAA americana (Part-61): 1)Novos parâmetros para aeronaves requererem habilitações de CLASSE ou TIPO – regra geral: as que tem PMD<12.500lbs, são ‘single pilot’ e não são turbojato/turbofan seriam CLASSE (inclusive helicópteros); enquanto que as com PMD>12.500lbs ou ‘multicrew’ ou são turbojato/turbofan seriam TIPO; e 2)A instituição dos endossos (os ‘endorsements’ da FAA), que são avaliações realizadas por um outro piloto, dependendo do caso um instrutor de voo e, em noutros, um PC ou PLA – mas que não é “checador”, e esta é a grande inovação -, atestando a proficiência de voo. Estas duas novidades, que já estão em vigor desde 23/04/16, tiveram regulamentação complementar publicada na última sexta-feira (22/04/2016) por meio, respectivamente, da IS N° 61-004G “Lista de habilitações averbadas pela ANAC nas licenças de pilotos” e da IS 61-006A “Procedimentos para o lançamento de endossos nos registros de voos de pilotos”.

A nova lista de habilitações é mais uma atualização da versão anterior da lista para as novas regras da EMD006, consolidando as novas habilitações de CLASSE para pilotos de helicóptero – HMNC-Helicóptero Monomotor Convencional, HMNT-Helicóptero Monomotor a Turbina, e HMLT-Helicóptero Multimotor (e reparem que as siglas são um pouco diferentes do que fora anteriormente informado aqui) -, além de deixar mais claro determinadas “situações limítrofes”. Por exemplo: Como fica a habilitação para o Beech King Air 250 EP, que é um BE20, mas possui um PMD de 13.420lbs? Na nova lista, isto fica claro na ‘Tabela VII’ abaixo reproduzida: se a aeronave tiver mais de 12.500lbs de PMD, ela irá requerer habilitação de TIPO, mesmo que suas “irmãs um pouco mais magras” (como o King 250 “sem o EP”, que é idêntico ao “com EP”, a não ser pela certificação do PMD restrita a 12.500lbs) requeiram habilitação de CLASSE MLTE.

tabela viiJá as regras para os endossos trazem muitas novidades. O ideal seria ler própria IS 61-006A do link acima (que está muito bem redigida, aliás), mas para facilitar a vida do leitor, eu preparei uma versão “maceteada” do texto, com comentários em vermelho, links para outros textos deste blog tratando do mesmo assunto em azul e alguns destaques originais do texto da ANAC em verde (já os grifos são meus). Também excluí todos os trechos “supérfluos” (citações legais, bibliografia, etc.) e referências a habilitações que não sejam para pilotos de avião e de helicópteros, de modo a deixar o texto o mais enxuto possível. Recomendo que se leia a introdução do texto abaixo (de “DEFINIÇÕES” a “ENDOSSOS”) e, de acordo com sua necessidade específica, o item (letras “A” a “I”) que represente cada um dos endossos requeridos pelo RBAC-61 aplicável ao seu caso. Mais para a frente, vou publicar outros posts com novas explicações sobre os endossos, baseadas nas principais dúvidas apresentadas pelos leitores, mas este texto ficará como referência básica sobre o assunto no blog.

Procedimentos para o lançamento de endossos nos registros de voos de pilotos

DEFINIÇÕES

  • Piloto endossante: piloto que ministra a instrução requerida e assina um endosso na CIV de outro piloto.
  • Piloto endossado: piloto que recebe a instrução requerida e obtém um endosso em sua CIV.

DISPOSIÇÕES GERAIS

  • Além dos requisitos de licença, habilitação e experiência recente, o RBAC 61 estabelece que para determinadas operações o piloto deve previamente obter um endosso em seus registros de voo.
  • Por meio da assinatura de um endosso, um piloto capacitado (endossante) declara formalmente para todos os fins legais que outro piloto (endossado) foi instruído e avaliado por ele e possui todas as condições de atuar em determinada função a bordo.
  • Essa atribuição deve ser entendida como um importante complemento ao processo de concessão de licenças, habilitações e certificados pela ANAC, e como tal deve ser exercida com responsabilidade, profissionalismo e foco integral na segurança operacional.

Obs.: Atentar à questão das responsabilidades administrativas, civis e criminais citadas no post do link acima.

VALIDADE DOS ENDOSSOS

  • Salvo expressamente declarado de maneira diversa nesta IS ou no RBAC 61, os endossos não possuem prazo de validade, e seu lançamento na CIV é requerido apenas uma vez, sendo de responsabilidade do piloto endossado conservar seus registros de voo para averiguações futuras.

REGRAS DE TRANSIÇÃO

  • Nos casos em que um novo endosso passou a ser requerido pela Emenda 06 ao RBAC 61 mas não era exigido pelo texto da Emenda 05 daquele regulamento, esta Instrução Suplementar estabelecerá regras de transição a fim de preservar o direito adquirido dos pilotos que já operavam regularmente sob as regras anteriores.
  • As regras de transição serão detalhadas caso a caso para cada endosso previsto no corpo da presente IS. Os endossos que não possuírem esse detalhamento não possuem regra de transição, e são considerados requeridos já na data da publicação desta IS.

ENDOSSOS

  • Este capítulo tem por objetivo detalhar cada um dos endossos previstos no RBAC 61, indicando-se ainda quais os requisitos daquele regulamento que consideram-se cumpridos através do referido endosso.
  • Todos os endossos previstos nesta seção devem ser lançados na CIV do piloto endossado pelo piloto endossante, bem como registrados em sua própria CIV digital pelo piloto endossado.
  • Para os lançamentos na CIV, o piloto endossante deve utilizar o campo “Observações”, podendo ocupar mais de uma linha para o lançamento se preciso for, conforme exemplo abaixo: civendosso
  • Para os lançamentos em sua própria CIV Digital, o piloto endossado deve utilizar o campo “Observações”, conforme o exemplo abaixo:

civendossodig2

  • Ressalta-se que ambos os lançamentos, tanto na CIV quanto na CIV Digital são necessários para que o endosso seja aceito e fiscalizado pela ANAC.
  • Seguem detalhados nas seções a seguir cada um dos endossos requeridos pelo RBAC  61.

A) Endosso para voo solo de aluno piloto – 61.61(k)

Quem pode endossar:

1- Detentor da habilitação válida de Instrutor de Voo (INVA, INVH, INPL, etc.); ou

2- Piloto designado para ministrar instrução de voo em um operador que possua programa de treinamento aprovado pela ANAC, quando ministrando instrução no âmbito da entidade a que está vinculado. (ex: operadores 142, 135 e 91 subparte K).

Obs.: Para alunos de cursos de PP ou PC e para quem está tendo instrução de PC fora de aeroclube/escola de aviação, isto significa que o endosso tem ser dado obrigatoriamente por um INVA/H.

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na seção 61.61 do RBAC 61.

Obs.: Inclui também ter 18 anos completos e ter sido aprovado na ‘banca’ da ANAC (de PP, no caso).

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) cumpre os requisitos da seção 61.61 e está proficiente para realizar voos solo em um (modelo da aeronave). (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Endosso para solo em (modelo da aeronave) assinado por (Nome do instrutor,  CANAC do instrutor).”

B) Endosso para navegação solo de aluno piloto – 61.67(c)(1) e (2)

Válido somente para um voo de navegação específico.

Quem pode endossar:

1- Detentor da habilitação válida de Instrutor de Voo (INVA, INVH, INPL, etc.); ou

2- Piloto designado para ministrar instrução de voo em um operador que possua programa de treinamento aprovado pela ANAC, quando ministrando instrução no âmbito da entidade a que está vinculado. (ex: operadores 142, 135 e 91 subparte K).

Obs.: Mesma anterior – na prática, tem que ser INVA/H.

Instrução prévia mínima ao endosso:

O aluno piloto deve ter recebido instrução duplo comando na rota a ser voada, conforme previsto no parágrafo 61.67(c)(2)(ii); e

Obs.: Nestes voos, é preciso que tenha-se decolado e pousado nos aeródromos em que a navegação irá ocorrer.

O instrutor deve ter repassado antes do voo todo o planejamento de navegação realizado pelo aluno, bem como consultado no briefing os dados relevantes da aeronave e da rota, tais como meteorologia, NOTAM, reportes de manutenção etc., conforme previsto no parágrafo 61.67(c)(2)(i).

Adicionalmente, durante toda a duração do voo é atribuição do instrutor permanecer em solo monitorando o andamento da navegação pelos meios disponíveis, tais como rádio ou telefone (no caso de paradas intermediárias), bem como o desenvolvimento da meteorologia em rota.

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que revisei o planejamento de navegação de (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) e o considero apto a realizar voo solo entre (designativos dos aeródromos de partida, destino, bem como sobrevoos e pousos intermediários se houver) em um (modelo da aeronave) no dia (data). (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Navegação liberada por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

C) Endosso para voo solo em espaço aéreo controlado – 61.69(a)(2) e (3) e 61.69(b)(2)  e (3)

Válido por 90 dias.

Quem pode endossar:

1- Detentor da habilitação válida de Instrutor de Voo (INVA, INVH, etc.); ou

2- Piloto designado para ministrar instrução de voo em um operador que possua programa de treinamento aprovado pela ANAC, quando ministrando instrução no âmbito da entidade a que está vinculado. (ex: operadores 142, 135 e 91 subparte K).

Obs.: Novamente, tem que ser INVA/H na prática.

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na seção 61.69 do RBAC 61.

Obs.: A instrução para operar em um determinado aeroporto localizado em espaço aéreo controlado tem que ter ocorrido no citado aeroporto, necessariamente.

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) cumpre os requisitos da seção 61.69 e está proficiente para voar solo nos seguintes espaços  aéreos controlados: (designativos dos aeródromos, terminais, etc.). (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Endosso para solo em (designativos dos aeródromos, terminais, etc.) assinado por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

D) Endosso de liberação para o cheque PP – 61.79(a)

Válido por 30 dias.

Quem pode endossar:

1- Detentor da habilitação válida de Instrutor de Voo (INVA, INVH, etc.); ou

2- Piloto designado para ministrar instrução de voo em um operador que possua programa de treinamento aprovado pela ANAC, quando ministrando instrução no âmbito da entidade a que está vinculado. (ex: operadores 142, 135 e 91 subparte K).

Obs.: Ou seja, tem que ser INVA/H.

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na seção 61.79 do RBAC 61.

Obs.: Esta instrução deve ter ocorrido obrigatoriamente no âmbito de um aeroclube ou escola de aviação certificados.

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) cumpre todos os requisitos para a concessão da licença de (PPA, PPH, etc.) e está preparado para o exame de proficiência. (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Liberado para cheque PP por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

E) Endosso de liberação para o cheque PC – 61.99(a)

Válido por 30 dias.

Quem pode endossar:

1- Detentor da habilitação válida de Instrutor de Voo (INVA, INVH, etc.); ou

2- Piloto designado para ministrar instrução de voo em um operador que possua programa de treinamento aprovado pela ANAC, quando ministrando instrução no âmbito da entidade a que está vinculado. (ex: operadores 142, 135 e 91 subparte K).

Obs.: Ou seja, tem que ser INVA/H.

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na seção 61.99 do RBAC 61;

Obs.: Diferente do que acontece no caso anterior (PP), no caso do PC não é obrigatório que a instrução ocorra no âmbito de aeroclube ou escola de aviação certificados.

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) cumpre todos os requisitos para a concessão da licença de (PCA, PCH, etc.) e está preparado para o exame de proficiência. (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Liberado para cheque PC por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

F) Endosso de liberação para o cheque de habilitação de classe – 61.195(f)

Válido por 30 dias.

Quem pode endossar:

1- Detentor da habilitação válida de Instrutor de Voo (INVA, INVH, INVD); ou

2- Piloto designado para ministrar instrução de voo em um operador que possua programa de treinamento aprovado pela ANAC, quando ministrando instrução no âmbito da entidade a que está vinculado. (ex: operadores 142, 135 e 91 subparte K).

Obs.: Neste caso, seria possível que o endossante não seja INVA/H, caso a instrução tenha ocorrido no âmbito de um Centro de Treinamento ou em uma empresa de Táxi Aéreo certificados. Para todos os demais casos, entretanto, é necessário que o endossante seja INVA/H.

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na seção 61.195 do RBAC 61 para a classe pertinente.

Obs.: Conforme especificado no link acima, os principais requisitos são: para MLTE, 12h de voo de instrução, sendo 2h em avião do mesmo modelo a ser utilizado no cheque; para MNAF/MLAF, 6h de instrução + 10 decolagens e 10 pousos na água; e para as CLASSEs de helicóptero, 8h de voo de instrução, com 2h em helicóptero avião do mesmo modelo a ser utilizado no cheque.

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) cumpre todos os requisitos para a concessão da habilitação de classe (nome da habilitação) e está preparado para o exame de proficiência. (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Liberado para cheque (MNTE, MLTE, MNAF, MLAF, HMNC, HMNT, HMLT, etc.) por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

G) Endosso para modelo específico de aeronave classe – 61.199(b)(1)

Quem pode endossar:

Piloto devidamente qualificado nos termos do Apêndice A desta IS.

Obs.: Para a maioria dos casos, o endossante só precisará ser PC, menos para os endossos para pilotar helicópteros da linha Robinson 22 e 44, quando será necessário ser INVH com um mínimo de 200h de voo em helicópteros e 50h de voo no modelo (R22 ou R44, conforme o caso).

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista no Apêndice A desta IS.

Obs.: Para a maioria dos casos, a instrução é “a critério” (vide explicação abaixo), menos para os helicópteros da linha Robinson 22 e 44 (quando deverá ser seguido o SFAR-73 da FAA) e para o avião Mitsubishi MU-2 (quando deverá ser utilizado o treinamento previsto no SFAR-108 da FAA).

Instrução “a critério” significa que o piloto endossante deverá ministrar a instrução de solo e de voo que se mostre suficiente para que o piloto endossado seja capaz de demonstrar total conhecimento e proficiência nos seguintes aspectos:

a) Estrutura, sistemas e limitações da aeronave;

b) Procedimentos anteriores ao voo, incluindo peso e balanceamento e verificação das condições gerais de aeronavegabilidade;

c) Procedimentos normais em solo e em voo;

d) Procedimentos anormais e de emergência em solo e em voo; e

e) Procedimentos em caso de falhas de equipamentos e de motor.

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que ministrei instrução de solo e de voo ao piloto (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) em um (modelo da aeronave, conforme designativos do Apêndice A desta IS) e o considero proficiente para atuar como piloto em comando em aeronaves desse modelo. (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Endossado no modelo (modelo da aeronave, conforme designativos do Apêndice A desta IS) por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

Regra de transição:

Os pilotos cujas habilitações de tipo tenham sido convertidas em habilitações de classe por ocasião da Emenda 06 ao RBAC 61 consideram-se endossados em todos os  modelos de aeronave que já tenham voado dentro dessa habilitação de tipo (para maiores detalhes, vide Apêndice B desta IS).

Obs.: Sendo mais claro, isso significa que, por exemplo, o piloto previamente habilitado ao BE90, e que tenha sua antiga habilitação de TIPO convertida para MLTE, não precisará obter o endosso do Beech King Air Série 90 para permanecer regular quanto à sua prerrogativa de pilotar tal aeronave.

H) Endosso de treinamento inicial ou periódico para habilitação de tipo (somente quando não há CTAC certificado ou validado pela ANAC para o tipo) – 61.213(a)(2)(iii), 6.213(a)(3)(iii) e 61.215(c).

Quem pode endossar:

Piloto Comercial ou Piloto de Linha Aérea habilitado no tipo.

Obs.: Lembrando que este endosso só é aplicável aos TIPOs que permanecem como tal na EMD006 (ou seja: com PMD>12.500lbs ou ‘multicrew’ ou turbojato/turbofan) e que não tenham Centro de Treinamento certificado pela ANAC – se houver CTAC, a própria habilitação obtida no CTAC elimina a necessidade de endosso.

Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na Avaliação Operacional da aeronave publicada pela ANAC ou, caso não haja, a instrução necessária para aquisição de proficiência pelo piloto instruído, tomando-se por referência o previsto pelo fabricante da aeronave e pela IS N° 61-005A;

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que ministrei treinamento de solo e de voo ao piloto (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) em um (modelo da aeronave, conforme designativos previstos na IS 61-004) e o considero preparado para o exame de (concessão ou revalidação) da habilitação de tipo. (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Treinamento para (concessão ou revalidação) de tipo na função de (PIC ou SIC) ministrado por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

I) Endosso de treinamento de diferenças em aeronave tipo (somente quando não há CTAC certificado ou validado pela ANAC para ministrar o treinamento de diferenças para o modelo) – 61.217(b)

Quem pode endossar:

Piloto Comercial ou Piloto de Linha Aérea habilitado no tipo. Instrução prévia mínima ao endosso:

A instrução prevista na Avaliação Operacional da aeronave publicada pela ANAC ou, caso não haja, a instrução necessária para aquisição de proficiência pelo piloto instruído, tomando-se por referência o previsto pelo fabricante da aeronave e pela IS N° 61-005A;

Texto do endosso na CIV:

“Declaro que ministrei treinamento de diferenças ao piloto (Nome do piloto endossado, CANAC do piloto endossado) em um (modelo da aeronave, conforme designativos previstos na IS 61-004) e o considero proficiente para atuar na função de (PIC ou SIC) em aeronaves deste modelo. (Nome, CANAC e assinatura do instrutor)”

Texto do endosso na CIV Digital:

“Treinamento de diferenças para (modelo da aeronave, conforme designativos da IS 61-004) na função de (PIC ou SIC) ministrado por (Nome do instrutor, CANAC do instrutor).”

Para mais detalhes, leia também os Apêndices da IS N° 61-006A.

Obs.: Texto muito importante para compreender os requerimentos de pilotos de aeronaves que eram TIPO na EMD005 e passaram a ser CLASSE na EMD006.

111 comments

  1. Ricardo Rocha
    1 ano ago

    Boa tarde Raul eu sou PP, já fiz a banca da ANAC PC/IFR, já possuo o CMA 1 Classe, Já estou com 300h de vôo(Todas fora de aeroclube) e quero checar o meu PC/IFR. Como funciona para eu checar o IFR fora de aeroclube? Quais são os requisitos? Grato!

  2. Roberto
    1 ano ago

    Boa tarde
    Estou vencido (ifr e mlte) há 2 anos,fiz minha prova de regulamentos na anac,gostaria de saber se preciso de instrução para rechecar ou nao?Se sim,quem pode ministrar a instrução inva ou pla?

    obrigado

    • Raul Marinho
      1 ano ago

      Não

  3. Gabriel
    1 ano ago

    Bom dia Raul,
    Tenho uma dúvida, vou checar meu PC, tenho horas em comando fora de Aeroclube e Escolas, como faço esses endossos.

    Obrigado

    • Raul Marinho
      1 ano ago

      Da mesma maneira dos demais, como esté explicado neste post.

  4. Renan
    2 anos ago

    Raul, é necessário endosso para voo lançado como PIC em espaço aéreo controlado mesmo que esse voo foi feito realmente com o instrutor a bordo?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Se este voo está com instrutor a bordo, então ele seria em duplo-comando? Aí não precisaria do endosso, mas também não seria PIC…
      Se você é o PIC, seja em espaço controlado ou não, vc tem que estar regularmente habilitado para a aeronave. E se esta requer endosso, pode ter o presidente da ANAC e o instrutor-chefe do fabricante voando junto que vc continua precisando do endosso para comandá-la.

      • Renan
        2 anos ago

        E no treinamento de PPH por exemplo, onde o MMA de PPH define que certas missões devem ser como piloto em comando, como serão lançadas na CIV essas horas do aluno? Como piloto em comando? E é necessário endosso pra esses voos?

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          O manual do curso de PPH não exige horas PIC, e sim horas SOLO. E em voo solo só pode haver uma pessoa na aeronave.
          Há necessidade de endosso para o voo solo.

  5. Otacilio
    2 anos ago

    Bom dia Raul! Me aparece uma oportunidade de está voando um c90 como copiloto. Ainda não possuo o MLTE será que posso realizar as horas de instrução e voo de cheque nele com INSPAC da Anac? Obrigado

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Sim, mas não vai compensar financeiramente, já que o voo de instrução em duplo-comando requer exclusividade (não pode ter pax, carga ou fins comerciais). Será mais barato vc pagar para uma escola para voar no Seneca deles. E aí vc aproveita e checa com o checador da escola, o que também será mais rápido e prático.

  6. Mauran
    2 anos ago

    Bom dia Raul,

    Segue minha dúvida:

    Eu quero fazer a inclusão da habilitações PA31 e PA42, minha duvida sobre a Instrução requerida para o endosso 61-006A fica a criterio do piloto. Depois do endosso com o PC, eu faço o agendamento de cheque com o INSPAC?

    obrigado

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Yes.

  7. Paulo
    2 anos ago

    Raul. chequei em CTAC em janeiro de 2016 na EMD005 vigente o BE20, no entanto, o lançamento do meu processo foi após o vigor da EMD006.
    A ANAC solicitou a comprovação de endosso, como devo fazer isso na CIV de papel considerando que não há endosso e sim check real com FAP TIPO BE20 em CTAC?
    Procurei na IS e nos comentários uma situação parecida e não encontrei.
    Obrigado.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Entre em contato com a GCEP pelo email processos.pel@anac.gov.br e descreva a sua situação em detalhes e peça orientação.
      Caso precise, volte a entrar em contato comigo pelo e-mail raulmarinho@yahoo.com, mas eu acredito que a GCEP irá resolver o seu caso sem maiores dificuldades.
      Abs e boa sorte!

  8. Felipe
    2 anos ago

    Boa Tarde Raul e parabéns pelo site e fan page, sou um leitor assíduo.

    Qual seria o entendimento do SPO e a pratica quanto a um Piloto voando PPH, fora de escola (fazendo horas) tanto na função de Piloto em PIC ou SIC, para o check de PCH? O 61.101 fala de pelo menos 35 hrs em comando, dentre horas de navegação, noturno, porém deixa obscuro quanto ao voo como SIC. Ou seja, Apenas fala em instrução no caso das 10hrs de IFRH. Resumindo, o regulamento apenas exige um INVH quando das 10 horas de instrução em IFRH e no caso de endosso para liberação?

    Por exemplo, já possui as 35hrs de PPH + 115 (105 em PIC e 10 IFRH) = 150hrs para check de PCH.

    Qual a orientação?

    Grato.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      SIC não vale para obter licença de grau superior. Ou seja: não adianta nada vc ter 1.000h SIC como PPH que elas não contarão para o cheque de PCH.

  9. Marcio
    2 anos ago

    Raul, meu amigo voa o be90, estou com mlte valido porem com ifr vencido, isso implicaria em todos os vôos de instrução serem visuais, ou voamos ifr e no cheque com inspac renova-se o meu ifr ?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Se o PIC do voo – no caso, o seu amigo que “voa BE90” – estiver com a habilitação IFR válida, em princípio o voo poderia ser IFR. Mas tem um pequeno complicador:
      Para “dar instrução” de endosso no modelo, ele precisaria ser somente PC (e vc voa como SIC); mas se a instrução englobar também IFR, aí ele teria que ser INVA habilitado a dar instrução IFR (e o voo em DC). Porém, como não se requer mais a instrução revisória, essa instrução não precisa ocorrer de acordo com o regulamento.

  10. Fernando Lima
    2 anos ago

    Olá raul !
    Um PP pode fazer as horas do MLTE no caso as 12 horas visuais , com um piloto que não seja INVA ? E ele endossa ? Se sim, tbm pode ser no king ?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Negativo. Um PP (já com a respectiva licença de PPA-MNTE) pode obter a habilitação de MLTE desde que cumprido o treinamento de 12h de voo em duplo-comando – o que implica, necessariamente, instrução com um INVA. Se este INVA também for habilitado ao King, ele poderia endossar, e o cheque de MLTE incluiria o cheque do endosso (neste caso, somente com INSPAC). Os voos podem ser no King, lembrando que, neste caso, não podem ser voos com propósitos comerciais (com pax, carga, etc.). E, finalmente: embora não seja obrigatório, seria muito recomendável que o piloto também obtivesse sua habilitação IFR, já que o King é uma aeronave pouco adequada para voar somente VFR.

      • Fernando Lima
        2 anos ago

        Obrigado Raul , grande abraço !

  11. luizsize
    2 anos ago

    Prezado Raul,

    Já buscamos informações nas mais diversas publicações liberadas até então, mas não conseguimos encontrar solução para nosso caso; efetuamos anualmente treinamento em CTAC (FlightSafety) para o King Air 250 (PMD 12.500LB), que não vai atender para nossa aeronave.
    Pelo item 61.197 do RBAC 61, temos o seguinte:
    (a) Para revalidar a habilitação de classe, seu titular deve ser aprovado em exame de proficiência
    em aeronave da classe pertinente.

    Não detalha mínimos de horas e/ou quesitos para o cheque. Ou seja, o CTAC, que cumpre todo um programa de treinamento de emergências e atesta proficiência não mais atende a gente; alguma dica, pois pretendemos continuar com esse treinamento, mas não podemos imputar custo extra ao operador tendo de efetuar outro cheque com aeronave quando voltamos do CTAC.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Vou verificar e respondo asap.

      • luizsize
        2 anos ago

        Obrigado!!!

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      O questionamento faz sentido e estou aguardando uma posição da SPO/ANAC sobre isso.

  12. Evandro
    2 anos ago

    Meu amigo Raul estou com uma dúvida, para endosso inicial de R44, vou voar as 10 hrs de treinamento com um colega invh, essas 10 hrs eu lanço nas minhas civ hora por hora ou apenas voo as 10 hrs e ele lança só o endosso e depois faço o check com um inspac.?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      São duas coisas distintas:
      -As horas de voo, vc lança de acordo com o que elas efetivamente ocorrerem, igual ao Diário de Bordo; e
      -O endosso é dado pelo INVH ao final.

      • Evandro
        2 anos ago

        A perfeito entendi amigo, e eu estando com a minha habilitação de R22 e HMNC válida ao término do treinamento do R44 preciso fazer check com inspac?

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          Até 06/2017, sim. Depois, é só o endosso.

  13. Artur gonçalves
    2 anos ago

    Olá,boa noite. Minha dúvida é a seguinte,não sei se pertinente a este tópico,mas lá vai ela….
    Perante a legislação vigente,é necessário ter a “instrução revisória” para revalidar habilitações de IFRA,INVA,MNTE e MLTE,mesmo essas estando válidas?Ou apenas ter experiência recente nas habilitações citadas?
    Quando cessado o prazo de validade das habilitações citadas,é necessário instrução revisória para posterior “recheck”?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Não existe mais o conceito de instrução revisória no RBAC-61 EMD006. Regra geral, as habilitações são renovadas por meio de um cheque com INSPAC ou checador certificado, mas há o caso das habilitações de CLASSE, que ainda podem ser renovadas “por horas” até o final deste ano.

  14. william
    2 anos ago

    Boa tarde Raul, tenho uma duvida, tenho o MNTE valido, eu precisarei de endosso pra cada avião MNTE que eu for voar ou não, pois dai eu teria que ter um endosso pro c152, um pro c172, um pro c210, um pro c208, um pro PC12 e etc… sendo que todos são MNTE? E o fato de ter passo variável ou não e também trem de pouso retrátil isso necessitaria de endosso, lembrando que são aeronaves MNTE?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Os endossos para operar modelos específicos de aeronaves são aplicáveis somente aos modelos especificados no Anexo-A da IS 00-006. Portanto, não existe a necessidade de endosso para operar o C152, 172, 208, 210, PC-12, etc.

  15. ALLAN RAPHAEL DEWOLATKA
    2 anos ago

    Raul boa tarde,

    Quem está fazendo o check inicial de PC/MLTE/IFR com o MNTE vencido, vai “ganhar” a revalidação da habilitação MNTE quando enviar o processo do PC? Obrigado!

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Afirmo.

  16. Elivelto
    2 anos ago

    Boa tarde… para o aluno de ppa ele pode fazer as horas em qualquer aeronaves mesmo que não seja pri instrução? Aí na hora do check ele tem que ser endossado por inva e ser chegado por escola ou aeroclube homologado instrução prática? Me tira esse dúvida….desculp qualquer coisa…

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      A formação de PP precisa ser realizada integralmente em curso homologado (aeroclube ou escola de aviação certificados pela ANAC); logo, com aeronave PRI. E é necessário não só o endosso para o cheque, como para os voos solo.

  17. Fernando Barreto
    2 anos ago

    Boa noite..tenho a carteira do Be90 válida ate 05/16 IFRA 05/16 e MLTE ate 2017…agora preciso somente renovar o IFRA ???

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Afirmo.

      • Fernando Barreto
        2 anos ago

        Obrigado pela pronta resposta.. parabéns pelo site.. sucessos!!

  18. Luís Fellipe dos Santos
    2 anos ago

    Boa noite Sr. Raul!
    Como vai?

    Por gentileza, uma dúvida
    Pilotos que renovarem a habilitação EPHN no simulador, terão automaticamente as habilitações MNTE e MLTE renovadas, com base no novo regulamento?

    Muito obrigado.

    Abraços!

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Negativo, uma vez que a hab.EPHN é de TIPO.

  19. Gilson
    2 anos ago

    Boa tarde, Raul.

    Não consegui compreender como ficaram as revalidações de Classe e IFRA com a EMD 6.
    Se a pessoa não possuir as experiência recentes (RBAC 61.21), como rechecar?

    Att,
    Gilson

  20. Igor
    2 anos ago

    Raul, saberia me dizer como ficará o check do endosso? Devo soliticar check de mlte normalmente? E de que maneira ficará explícito que aquele CANAC é endossado em tal modelo, visto que de acordo com DCERTA apenas tendo mlte seria suficiente para fazer planos.

  21. Ricardo
    2 anos ago

    Bom dia,

    Antes de mais nada, meus parabéns pelo blog. É sempre uma fonte de informações seguras e confiáveis!
    Gostaria de tirar uma dúvida!

    Possuo carteira do BE20, mas a mesma está vencida desde 01/2015.
    Com a nova regulamentação eu deveria receber o MLTE mesmo com o BE20 vencido?
    Se eu for renovar minha carteira do BE20, vou precisar fazer processo como se fosse inicial já que a mesma está vencida a mais de 6 meses?
    E finalmente, caso renove o BE20, aí sim seria incluído o MLTE, e por consequencia revalidado o MNTE que está vencido desde 12/2015?

    Att.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Possuo carteira do BE20, mas a mesma está vencida desde 01/2015.
      Com a nova regulamentação eu deveria receber o MLTE mesmo com o BE20 vencido?
      =>Sim, porém também vencido desde 01/2016.

      Se eu for renovar minha carteira do BE20, vou precisar fazer processo como se fosse inicial já que a mesma está vencida a mais de 6 meses?
      =>Não existe mais “carteira de BE20”, agora é MLTE. Vc terá que somente revalidar o MLTE (o endosso vc já tem).

      E finalmente, caso renove o BE20, aí sim seria incluído o MLTE, e por consequencia revalidado o MNTE que está vencido desde 12/2015?
      =>Complementando, vc “ganha” o MNTE, sim.

  22. Joao Andre Lopes
    2 anos ago

    Bom dia Raul,

    Segue dúvida:

    Minha habilitação mlte/ifra está válida
    Tenho vencido as habilitações PA31 e PA42 – “antigas tipo” – vendidas em 07/2011
    Considerando que o item 8.16 da IS 61-006A, que menciona que considera endossados aqueles que ja possuíam a habilitação.
    Considerando o item B.5.3.5 da Apêndice B da IS 61-006A, que diz que o os exames por INSPAC tem o objetivo de avaliar os endossos.

    Ainda é necessário que eu faca o recheque destes modelos de aeronave (PA31 e PA42)? ou já estão automaticamente atualizadas?

    obrigado

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      De acordo com orientação recebida da SPO, no seu caso você estaria apto a operar os PA31/42 sem a necessidade de endossos ou cheques adicionais.

  23. Neto
    2 anos ago

    Possuo a habilitação de esquilo H350 porém está vencida! O correto era receber a nova habilitação HMNT vencida Pq não apareceu já que possuo helicoptero mono turbina?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Minha recomendação é vc entrar em contato com processos.pel@anac.gov.br .

    • Nico
      2 anos ago

      Eu fiz uma consulta a GCEP e obtive como resposta que quem possuía habilitação “VÁLIDA” deTIPO que virou CLASSE, recebeu a habilitação CLASSE correspondente automaticamente.
      O que deduzi foi que as habilitação “VENCIDA” de TIPO que virou CLASSE não receberá automaticamente.
      Aí ficou outra dúvida: teremos que abrir outro processo para solicitar a nova CHT? Teremos que pagar novas GRU para tal (o que seria uma bitributação, pois já pagamos pela inclusão da CHT modificada)? Fica aí estes questionamentos de como proceder neste caso.
      Raul vc tem alguma idéia do que fazer?

      • Raul Marinho
        2 anos ago

        Depende de quando venceu. Pela regra da Res.378, a validade da hab.CLASSE convertida de uma hab.TIPO anterior é +1 ano do vencimento original. Assim, se sua hab.TIPO venceu em fev/2016, a hab.CLASSE correspondente valerá até fev/2017. Porém, se a hab.TIPO já está vencida há mais de um ano, então tem que renovar a hab.CLASSE mesmo, pagar a GRU, rechecar, etc.

  24. Diogo Antunes
    2 anos ago

    Boa Noite
    Poderia por gentileza, me ajudar a entender como vai funcionar a revalidação dos endossos para R22 e R44, pois os mesmos apresentam validade de 24 meses. Por exemplo, a partir de quando, os pilotos que já são checados nas máquinas, precisarão revalidar esses endossos ? Pois a princípio eles nunca tiveram os endossos iniciais. Valeria a data de cada tipo ? Ou terá q ser feito na revalidação da classe?

    Obrigado

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Vc não entendeu o espírito do endosso: não se trata de uma “sub-habilitação”, e sim uma espécie de “liberação”. Liberou, está liberado, não tem que renovar nada. Se vc já está voando o R22 ou R44, não tem nada para fazer, nem hoje nem nunca. O endosso só será requerido para quem nunca demonstrou ser proficiente no modelo.

      • Diogo Antunes
        2 anos ago

        Amigo,eu tirei minhas habilitações nos Eua, realizei tudo por meio de Endossos.
        minha duvida é que na IS 61-006A, onde estão listadas as aeronaves R22 e R44 consta:

        Endosso possui validade de 24
        meses.
        Após expirada esta validade, o
        piloto não pode atuar como PIC
        no modelo até que obtenha
        novo endosso periódico.
        Validade e treinamento
        requerido se embasam no SFAR
        73, editado pela FAA.

        Endosso periódico

        Tempo de voo a critério do
        instrutor, devendo ser
        realizados novamente
        todos os procedimentos
        previstos para a instrução
        de voo do endosso inicial.

        Minha dúvida é em relação a validade disso,para quem nunca realizou endosso inicial
        Ou estou fazendo uma grande confusão?

        Obrigado

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          Vc tem razão, passei batido nesta coluna do Apêndice A, me desculpe. Está confuso, sim, mas não é culpa sua. Vou perguntar para a SPO e posto a resposta asap. Tks e, novamente, desculpe pelo mal entendido.

          • Nico
            2 anos ago

            Para R22 e R44 em um endosso inicial e um periódico (anual).
            ?????????????????

            • Raul Marinho
              2 anos ago

              Isso mesmo. Lembrando que o piloto que já estava habilitado previamente ao modelo já entra no jogo endossado.

          • Raul Marinho
            2 anos ago

            Complemento com a resposta recebida da SPO sobre este assunto:

            A validade do endosso conta-se do último recheque no tipo nesse caso. É como se o cheque fosse o endosso.
            Então se a hab ainda estava válida, certamente o endosso só “vencerá” ano que vem, já que ele é válido por 24 meses.
            Se já estava vencida, ainda assim o endosso pode estar válido, pois o último recheque pode ter sido há 13, 14 meses por exemplo. (Daí o tipo estaria vencido mas o endosso ainda está válido).
            Resumindo, o endosso de r22 ou r44 só será necessário se o último recheque foi há mais de 24 meses.

  25. bonato
    2 anos ago

    ola Raul boa noite, tenho PC MNTE MLTE IFR, ambos validos, fiz o flysafety em wichita do king 90, faz dois meses, no caso preciso fazer cheque ou apenas o endossoo, obrigado

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Não entendi: vc fez o FSI do BE90 e não tem a carteira do BE90?

      • Bonato
        2 anos ago

        Sim, fiz o FSI, mas não tenho a carteira, não entrei com o processo na anac devido o alto valor da Gru, estava esperando como ia ficar as mudanças de tipo para classe.

  26. DOP
    2 anos ago

    Prezado Raul,
    Primeiramente obrigado pelo post e os esclarecimentos acima.
    Necessito de alguns outros por gentileza e são eles:

    Ainda não compreendi a questão do “endosso requerer o cheque”, citado em um post acima.
    O endosso de letra “F” diz “endosso para liberação de cheque”, esse para requerer a licença classe;
    Mas no caso do endosso de letra “g” não especifica que é para o cheque e sim para um modelo específico de classe que requer endosso para quem já tem MLTE e um cheque na própria aeronave até 30/06/17.
    Para facilitar a dúvida vou criar um cenário:

    Piloto Comercial
    Habilitado MLTE com validade até 08/2016.

    Esse piloto, recebe endosso agora no mês 5/16 após treinamento mínimo exigido para a Acft BE90 por um PC anteriormente habilitado BE90.
    Pergunta:
    Ele poderá atuar como PIC no BE90 a partir do endosso? E fazer seu ré-cheque no BE90 no vencimento da sua habilitação MLTE 08/16 caso seu MLTE esteja válido até 06/2017 fazer o ré-cheque até essa data no king?

    Observo que o sistema DECERTA já aceita MLTE atuar como PIC no BE90 e 20.

    Agradeço desde já
    DOP

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Não entendi muito bem a sua pergunta, mas é o seguinte:
      -Quem tem a habilitação do modelo que já foi TIPO e agora é CLASSE (ex.: BE90), mesmo vencida, está liberado do endosso.
      -Só irá requerer cheque o endosso de modelo específico (até 06/2017).
      -Não existe carteira de SIC de aeronave single pilot, vc só pode obter habilitação de PIC (embora possa voar como SIC).
      Clareou?

    • DOP
      2 anos ago

      Desculpa mas acredito que não me fiz entender, segue:
      Ex.:
      Um piloto que nunca teve habilitação tipo (BE90) mas tem MLTE poderá atuar como PIC no BE90 a partir de hoje se receber um endosso de outro piloto habilitado? E por consequência programar seu ré-cheque no King junto ao vencimento de sua habilitação MLTE, desde que seja antes de 06/2017?
      Ou para poder atuar como PIC no referido King deverá além do endosso, fazer junto o re-cheque no King?
      Att.

      • Raul Marinho
        2 anos ago

        Até 06/17, é necessário checar o endosso do King para poder pilotar esta aeronave de acordo com o regulamento. Pode ser junto com o recheque da hab.CLASSE, pode ser separado, como quiser.

  27. EC
    2 anos ago

    Raul, uma duvida. Vamos supor que eu seja pp, voando um mnte tpp ja próximo das 200 hrs, vou precisar de um endosso para o check, correto? Dentro das 200 horas de voo, em quantas horas o INVA precisa me acompanhar? O RBAC 61 nao deixa claro. É a criterio tambem? Digamos que em 2 horas o INVA consiga repassar os requisitos do item 6.99, posso partir para o check?
    (Resumo: 40 hrs PP em escola +158 hrs voando comando tpp + 2 hrs duplo com INVA).

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Pelo regulamento, não importa se o INVA te acompanha ou não, e sim se o voo é em duplo-comando ou PIC. Dito isto, leia o item 61.101, e veja que o RBAC-61 deixa claro, sim, quantas horas vc precisa ter em cada modalidade de voo para poder checar o PC.
      Já o endosso para liberação do cheque vai depender da confiança que o INVA tem no teu taco. É mais ou menos como uma fiança de aluguel: um fiador pode ficar tranquilo só por te conhecer, outro vai puxar uma ficha sua no SERASA, pedir holerite, escritura da casa…

  28. Bolsonaro2018
    2 anos ago

    Não estou lançando as horas Raul, pois 98% dos voos são com pax, porém não deixo de ter voado mais de 100hrs no avião, entende o problema? Kk.
    Então digamos que eu cheque o MLTE, qual seria o próximo passo já que teria o endosso de um cmte inva no King?
    Valeu!!
    Ps: não escrevi na resposta pois não consegui apartir do iPad, obrigado!

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Entendo perfeitamente o seu problema, meu caro, e em breve acho que poderei anunciar uma boa nova para os que estão em situação similar à sua!
      Mas respondendo objetivamente à sua questão: vc tem o MLTE, tem o endosso, o que falta? De 07/2017 em diante, nada. Até lá, um cheque do endosso.

      • Bolsomito2016/18
        2 anos ago

        Pois então. Aí que está minha dúvida Raul, não poderia checar o Mlte com horas provenientes do King, já que ele é Mlte? E esse cheque do endosso, seria um vôo com um checador da anac? Por que se for, compenssa já fazer o cheque Inicial do Mlte direto no King, não?
        Valeu!

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          Poderia, mas aí vc esbarra no fato de que os voos de instrução não poderem ter propósitos comerciais (pax/carga, etc.) – e o próprio voo de cheque, de cerca de 1,5h-2h, pagando do seu bolso… Aí é uma questão de avaliar se vale ou não a pena financeiramente.

  29. Bolsonaro2018
    2 anos ago

    Raul boa noite.
    Estou com uma duvida, não ficou muito claro.
    Sou pc mnte ifra e voo be90 com um cmte pc inva ifra e com o tipo em dia.
    Já tenho mais de 100 horas voadas no avião.
    Apartir de agora como faço para obter o endosso? Preciso fazer um voo de cheque com checador da Anac? Se pegar o endosso no King, pego o MLTE?
    Obrigado.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      A questão é: como vc estava lançando essa horas voadas no avião? Nos voos sem pax/carga/propósitos comerciais, vc poderia estar lançando em duplo-comando de instrução, com o cmte sendo, formalmente, o instrutor, e vc o instruendo. O resto, vc lançaria como o quê? Ninguém te proíbe lançar como SIC, mas também não há previsão para tal no regulamento.
      Agora, voltemos ao endosso. Antes de pensar nisso, vc teria que ter a habilitação correta – no caso, MLTE. Uma vez habilitado, vc deve obter o endosso para o modelo. Aí vc estaria 100% regular para ser PIC de um King-90, mas… Vc está voando na direita, e continua não existindo previsão no regulamento para SIC de single/91. Entendeu o problema?

  30. Vitor
    2 anos ago

    Com relação as aeronaves single pilot, um segundo piloto habilitado a bordo da aeronave NÃO vai poder anotar 50% das horas certo? Essa emenda não ajudou esse piloto que busca as tão sonhadas horas fora da instrução. Tem alguma novidade ou perspectiva?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Não tem novidade, mas tem perspectiva. Vou falar sobre isso em breve.

  31. Rafael
    2 anos ago

    Olá Raul, tudo bem com vc? Excelente texto, gostaria de inicialmente agradecer as informações claras e diretas descritas por vc!

    Gostaria de pedir uma explicação nos seguintes casos, sou INVA e sou checado BE90. Como já tenho a habilitação, não preciso ser endossado para continuar voando o King Air C90? Outra curiosidade, no caso de eu endossar alguém, existe alguma exigência a respeito de ground school teórico? Ouvi fofocas por ai dizendo que mesmo no caso do King Air ser Multi seria necessário o ground teórico, sabes dizer se isso condiz ou se é só fofoca mesmo?

    Desde já agradeço a atenção!

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Como já tenho a habilitação, não preciso ser endossado para continuar voando o King Air C90?
      =>Pela regra de transição do item 8.16, não.

      Outra curiosidade, no caso de eu endossar alguém, existe alguma exigência a respeito de ground school teórico? Ouvi fofocas por ai dizendo que mesmo no caso do King Air ser Multi seria necessário o ground teórico, sabes dizer se isso condiz ou se é só fofoca mesmo?
      =>Para vc endossar alguém neste quesito (modelo específico de aeronave), o endosante não precisa ser INVA, e sim um “piloto qualificado de acordo com o Apêndice A” da IS. Para o caso do King-90, isso significa ser um PC, e a instrução é “a critério”. Vou reproduzir do blog o que significa essa expressão em negrito):
      Instrução “a critério” significa que o piloto endossante deverá ministrar a instrução de solo e de voo que se mostre suficiente para que o piloto endossado seja capaz de demonstrar total conhecimento e proficiência nos seguintes aspectos:
      a) Estrutura, sistemas e limitações da aeronave;
      b) Procedimentos anteriores ao voo, incluindo peso e balanceamento e verificação das condições gerais de aeronavegabilidade;
      c) Procedimentos normais em solo e em voo;
      d) Procedimentos anormais e de emergência em solo e em voo; e
      e) Procedimentos em caso de falhas de equipamentos e de motor.

      Logo, não precisa de ‘ground’ – não ser que o endossante ache que só o piloto que cursou o ‘ground’ está apto a ser endossado, mas isso é lá com ele. Pela ANAC, não há essa obrigatoriedade.
      Minha opinião pessoal: se fosse para colocar o MEU na reta (isto é: se fosse EU o endossante), eu exigiria o ‘ground’ do endossado. Não porque sou chato, mas porque amanhã, se o endossado tiver algum problema e detectar-se que ele não tinha os conhecimentos teóricos mínimos, eu poderia pelo menos alegar que o sujeito fez um curso teórico na escola X, e que ela o aprovou numa prova. Entende a situação?

  32. Tognere
    2 anos ago

    Olá eu tenho as carteiras do R22 e R44 como devo fazer pra ter o R66 já que é inicial de mono turbina ?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Aí vc vai ter que obter a habilitação do mono-turbina e o endosso do R66.

  33. debora418
    2 anos ago

    Olá, já esta valendo o endosso com o PC ou PLA? Logo já passo começar o treinamento ?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Depende do endosso: alguns requerem INVA/H, outros, não. Está tudo detalhado no post.

  34. Pedroso
    2 anos ago

    Raul boa tarde!
    Minha solicitação de recheque BE90 é de janeiro. O voo será com INSPAC amanhã. Visto que tudo foi solicitado como BE90, temos que mudar a solicitação para MLTE. Perguntei a respeito para o INSPAC mas ele ainda não tinha informação de como proceder.

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      É um caso muito específico, que tanto pode ser resolvido com um recheque do BE90 “à moda antiga” e posterior conversão da habilitação para MLTE (que já vem previamente endossado, de acordo com a IS); quanto com a alteração do recheque para MLTE, o que implicaria num endosso que precisaria ser confirmado pelo INSPAC (no mesmo voo de cheque? pelo meu entendimento, sim). Mas somente a SPO/GCEP poderã dar a palavra final sobre qual or procedimento que se encaixa ao seu caso. Aguarde a resposta do seu INSPAC – e compartilhe aqui qual foi, para criar um acervo de respostas sobre endossos no blog.

      • Pedroso
        2 anos ago

        Bom dia Raul
        Fizemos o recheque ontem. As fichas foram feitas como MLTE (Antigo BE90). E se você entrar no SACI tem uma nota na página inicial e você clica em Cadastrar FAP. Abre um arquivo mostrando como deve ser feito o processo. No meu caso específico o INSPAC necessita enviar duas FAP. Uma como MLTE e outra com o Tipo anterior a mudança, nesse caso BE90. A única questão que ficou em aberto foi que o MNTE não revalidou junto com o MLTE. Fica essa questão para levantar junto a Anac pois o sistema não deve estar ainda respondendo automaticamente esse ponto.

  35. Hugo
    2 anos ago

    Raul, por exemplo o treinamento e cheque inicial do CJ1 continua em simulador no exterior né?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Todo avião turbojato/turbofan permanece sendo TIPO, portanto requer CTAC.

  36. Evandro
    2 anos ago

    Boa tarde Raul, eu sendo Invh e estando checado R22 o que preciso para incluir R44?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      A habilitação de CLASSE HMNC-Helicóptero Monomotor Convencional vale tanto para o R22 quanto para o R44. Porém, será necessário um endosso por um INVH com um mínimo de 200h de voo em helicópteros e 50h de voo no R-44, que deverá seguir o programa de instrução do SFAR-73 da FAA. E, como o R44 era TIPO na regra antiga, também será requerido cheque com INSPAC (até 30/06/2017).

      • Evandro
        2 anos ago

        Certo Raul, e tem uma quantidade mínima de horas? ou é apenas feito o treinamento do programa de instrução do SFAR-73. e após o INVH fazer o endosso é só solicitar o check com o inspac?

  37. Fabiano
    2 anos ago

    Ótimo resumo Raul, mas por favor…
    Tenho habilitação BE90 vencida e BE20 válida, isso quer dizer que segundo a Ccélula 3 do apêndice do IS 61-006A, preciso apenas de um endosso (sem exame de voo), para voar BE90 novamente?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Até 30/06/2017, será necessário checar esse tipo de endosso. De 1° de julho do ano que vem em diante, não.

      • Fabiano
        2 anos ago

        Perfeito Raul…
        Mas entendi que mesmo com o BE90 vencido, teria o endosso automático assim como o BE20 (que está válido), por já ter BE90.

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          Pelo meu entendimento, se vc tem o BE90 vencido e o BE20 válido, vc “ganha” uma habilitação MLTE, aplicável a ambos os casos, mas o endosso é só do BE20 (que estava válido). O endosso do King-90 deveria estar condicionado à prévia validade do BE90, que não é o caso. Todavia, isso não está explícito no texto da IS, trata-se de MINHA interpretação. Vou checar este ponto junto à SPO, e complemento esta resposta assim que possível.

          • Fabiano
            2 anos ago

            Muito obrigado!

          • Raul Marinho
            2 anos ago

            Fabiano, falei com o pessoal da SPO, e o entendimento deles é mais liberal que o meu – na verdade, você estava certo. Ou seja: na regra de transição, vc “ganhará” os endossos tanto do King-200 (que estava válido) quanto do King-90 (que estava vencido).

            • Fabiano
              2 anos ago

              Obrigado pela atenção…

  38. Rogério
    2 anos ago

    Raul, como fica o caso do cheque para verificação (comprovação) dos endossos?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      No caso de endossos para operar modelos específicos de aeronaves que eram TIPO na EMD005, será requerido o cheque até 30/06/2017.
      Por exemplo: o endosso do King-90, que é CLASSE MLTE mas era TIPO anteriormente, irá requerer cheque do endosso até o meio do ano que vem.

      • Rogério
        2 anos ago

        Então poderei voar o C90 sem o cheque até 30/06/2017?

        • Raul Marinho
          2 anos ago

          Depende de qual é sua qualificação atual.

          • Rogério
            2 anos ago

            PC MLTE IFR INVA

            • Raul Marinho
              2 anos ago

              Vc é PC MLTE IFR INVA e quer voar King-90, é isso?
              Se for, a explicação está no post.

              • Rogério
                2 anos ago

                Quero saber apenas como proceder com o cheque. Posso voar o king agora e checar somente depois (proximo do dia 30 de junho 2017)

                • Raul Marinho
                  2 anos ago

                  Negativo. Vc precisa primeiro obter o endosso (que requer o cheque).

  39. E quanto as aeronaves a reação que eram single pilot? Agora passarão com essas novas regras a ser multi crew ?

    • Raul Marinho
      2 anos ago

      Negativo: continuam single. E continuam TIPO. Nada muda.

Deixe uma resposta