Por que a segurança de “aviões pequenos” não é a mesma dos “aviões grandes”? – Ou: muito prazer, senadores, eu sou a Parte II do Anexo 6 da ICAO

Por que a segurança de “aviões pequenos” não é a mesma dos “aviões grandes”? – Ou: muito prazer, senadores, eu sou a Parte II do Anexo 6 da ICAO

By: Author Raul MarinhoPosted on
551Views4

O texto deste artigo encontra-se publicado em https://paraserpiloto.org/blog/2018/03/07/recordar-e-viver-por-que-a-seguranca-de-avioes-pequenos-nao-e-a-mesma-dos-avioes-grandes/

4 comments

  1. Enderson Rafael
    2 anos ago

    exatamente o que eu acho. O meio nao ajuda, mas o que mata é o amadorismo. Qq aviacao feita de forma profissional eh segura. Eu nao vou arriscar minha vida soh pq o regulamento ou a agencia nao estao no meu pé.

  2. Augusto Fonseca da Costa
    2 anos ago

    Folgo em saber que se discutirá segurança em audiências de fato públicas no senado, porque na ANAC foi criada uma excrescência chamada audiência pública por escrito, sem a participação presencial e oitiva dos maiores interessados, os usuários, pilotos e proprietários de aeronaves, sem debates, e sem contraditório. Temos provas de um caso que ilustra bem esse absurdo: na regulação da aviação “experimental”, a audiência pública só contou com a participação da indústria e seus aliados, sem o consumidor, e com a presença da ANAC, justamente o órgão regulador, apenas como OUVINTE. Deu no que deu: captura do regulador pelos regulados, que legislaram em causa própria e isentaram a indústria de cumprir normas de segurança sem o conhecimento dos consumidores e ao arrepio da Lei. Ver RF A-003/CENIPA/2015 pelo link http://prevencao.potter.net.br/detalhe/52976/PUPEK

  3. Há várias razões, tipo: (1)- “Meeoo, C é lookooo!!! Aqui não é a linha aéreaa!!!” (2)- “Pôô, assim vai inviabilizar, numa dessas o homem vende o aviãoo!!!” (3)- “Vai querer ser mais real do que o Rei? Aqui é o Braziiuuu!!!” (4)- “Pô, Cte!!! Com todas essas décadas de linha aérea, o Sr. vai refugar um voo mixuruca desses, no ‘jatinho’? Veja bem…” Não estou generalizando, mas – no mais das vezes – é por essas e outras (marco regulatório pífio / inconsistente, infraestrutura em ruínas, más condições de trabalho, treinamento proforma e por aí vamos). Só trazer avião com “avionics” de última geração não adianta. Ou dá-se um upgrade na mentalidade, ou assume-se o gosto de “viver perigosamente”.

  4. Beto Arcaro
    2 anos ago

    Exato!
    RBAC91, FAR91, ou enfim, a parte 91 de qualquer regulamentação aeronáutica.

Deixe uma resposta