Novas regras para operação de aeromodelos em consulta no PRENOR

Novas regras para operação de aeromodelos em consulta no PRENOR

By: Author Raul MarinhoPosted on
148Views6

As novas regras para operação de aeromodelos (“aeronaves remotamente pilotadas com uso exclusivamente voltado à recreação”) estão em consulta no PRENOR até o dia 21/07 – vide minuta de AIC.

Alertado pelo comentário de um leitor sobre este assunto, enfatizo a seção 8.1(b) da proposta que sugere que as operações com aeromodelos “deverão estar distantes, no mínimo, 3 Km (três quilômetros) de aeródromos ou heliportos cadastrados, rotas conhecidas de aeronaves e helicópteros tripulados, circuito de tráfego, corredores visuais e atividades da aviação agrícola” – no ICA 100-40 que regulamenta os VANTs (“drones”), esta distância é de 5 Km (item 11.2.1.4 – até 100ft AGL) ou 9 Km (item 11.2.1.5 – até 400ft AGL).

O questionamento do leitor – que, acredito, faça sentido – é por que não seguir as mesmas regras dos VANTs para os aeromodelos? Podemos sugerir isto no PRENOR.

6 comments

  1. Milton
    4 meses ago

    Curiosa a situação. Eu vejo tudo isso de uma maneira bastante particular porque jogo nos dois times. Quando não vou voar Schweizer 300, eu pego meus helicópteros de controle remoto e vou no Aeroclube de Araras me divertir com modelismo. Tenho meu BRA (licença de aeromodelista) e minha licença de PCH na mesma carteira.

    Sim, no caso de Araras (SDAA), aeronaves reais e modelismo convivem pacificamente. O clube de modelismo de lá é subordinado ao Aeroclube, tudo oficial.

    Por coincidência, meu último voo de S300 foi por cima de SDAA (a base fica em Ipeúna, é pertinho). Vários colegas meus de modelismo viram meu voo “escala 1:1”.

    Claro que cada caso é um caso, não daria pra fazer algo parecido em aeroportos centrais e/ou movimentados. Campo de Marte? Congonhas? Não dá, né?

    Só acho que não cabe muito alarmismo quanto às propostas de regulamentação. Hoje não existe regulamentação, qualquer coisa que não seja muito maluca já vai ser um avanço.

    Coibir a compra de aeromodelos com artifícios legais é abusivo. Nenhum país do mundo faz isso (talvez a Coreia do Norte faça, mas não sei ao certo). Muita gente reclama do tamanho da mão do Estado, mas chama por ela rapidinho quando acha que interessa.

    Agora, acho certo sim as associações de pilotos, Abraphe, etc, participarem da discussão com o DECEA. Ela é do interesse de todos. Se não participam hoje, estão atrasados.

    Aos aviadores que não curtem modelismo, peço que não demonizem o hobby. Os EUA possuem a aviação mais poderosa do mundo, e não por acaso, o maior mercado de aeromodelismo do mundo. O aeromodelismo também tem um mercado muito forte na Alemanha, Canadá, Inglaterra, Austrália, França… Justo aqui nesse país de banana vamos coibir?

    Abraço a todos.

  2. João
    4 meses ago

    Não sei se repararam mas a minuta foi atualizada. (http://publicacoes.decea.gov.br/download.cfm?d=4581)

    Na nova versão a distância de aerodromos foi reduzida para 2Km. ISSO É GRAVE!

    O DECEA está sendo bombardeado pelos aeromodelistas. Se a categoria dos pilotos não contribuir, a regra será publicada atendendo apenas aos interesses deles.

    Um colega me falou que o DECEA já teve várias reuniões com os aeromodelistas. Onde estão as associações de pilotos, proprietários de aeronaves, empresas, aeroportos, bombeiros…

    Ou seja, estão organizados e atuando.
    Depois será tarde para reclamar.

  3. Cleber
    4 meses ago

    Bem típico deles (otoridades) , quando não conseguem organizar e fiscalizar colocam a frota no chão . Como um aeromodelo vai conseguir voar a 10 km/h ?? A parte de voar um aeromodelo a 10m de altitude e a 10km/h é surreal, coisa de outro mundo. BR sendo BR como sempre.

  4. Henrique
    4 meses ago

    Muito me estranha um órgão responsável pelo controle do espaço aéreo ser tão flexível com a segurança das operações.
    3 Km de separação não é nada em aviação, concordo com o colega: por que não manter as distâncias das regras dos VANTS, de 5 e 9 KM?
    Raul, você que é especialista não poderia interceder para tentar ajustar a norma antes da publicação, levantando aspectos da segurança de voo?
    Vou até propor a alteração, mas acho que aqueles que tem maior conhecimento técnico poderiam fazer uma proposta melhor justificada!
    Abraço

  5. Nico
    4 meses ago

    Existe a possibilidade q a partir do momento em q o DECEA considere em regulamento, q o aeromodelo é uma aeronave, da Receita Federal assim considerá-la, e poderá não deixar o aeromodelo entrar no país como bagagem acompanhada na cota de US 500. Assim somente será permitido a compra de aeromodelo no exterior através de importação, pois se trata de aeronave.

Deixe uma resposta